05 Julho 2022, 21:08

Ucrânia: Número de refugiados ultrapassa os 5,1 milhões de pessoas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Genebra, Suíça, 22 abr 2022 (Lusa) – Mais de 5,1 milhões de ucranianos fugiram do país desde a invasão da Rússia, em 24 de fevereiro, mas a taxa diária está a diminuir, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Segundo a organização, até hoje já deixaram o seu país 5.133.747 ucranianos, mais 48.387 pessoas do que a contagem divulgada na quinta-feira.

Apesar de o número de refugiados continuar a aumentar, a taxa diária é bastante menor agora do que no início da guerra.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), também ligada às Nações Unidas, indicou que mais de 218.000 não ucranianos, principalmente estudantes e trabalhadores migrantes, também deixaram a Ucrânia para países vizinhos, o que significa que mais de 5,25 milhões de pessoas no total fugiram do país desde o início da guerra.

Este é o maior afluxo de refugiados desde a II Guerra Mundial, sendo que cerca de 90% dos que fugiram são mulheres e crianças, já que as autoridades ucranianas não permitem a saída de homens em idade militar.

Os deslocados internos somam mais de 7,7 milhões de pessoas, segundo a OIM, que refere ainda que quase dois terços das crianças tiveram de fugir de suas casas.

Antes do conflito, a Ucrânia era povoada por mais de 37 milhões de pessoas nos territórios controlados por Kiev — entre os quais não se incluem a Crimeia (sul), anexada em 2014 pela Rússia, nem as áreas a leste sob controlo dos separatistas pró-russos há oito anos.

A Polónia continua a ser o país que mais ucranianos recebe, sendo o destino de um em cada seis refugiados e registando já a entrada de mais de 2,8 milhões de pessoas.

Ao mesmo tempo, mais de 800.000 pessoas cruzaram a fronteira polaca para a Ucrânia, número composto por homens ucranianos que viviam naquele país e decidiram juntar-se ao exército ou residentes que regressaram a casa, referiu hoje a guarda fronteiriça da Polónia.

Antes da guerra, cerca de 1,5 milhões de ucranianos viviam na Polónia, a maioria dos quais eram trabalhadores migrantes.

O segundo país que recebeu, até hoje, mais refugiados é a Roménia, para onde fugiram 769.616 ucranianos, enquanto a Rússia acolheu cerca de 578 mil, a Hungria 430 mil e a Eslováquia 350 mil.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

PMC // PAL

Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário