12 Agosto 2022, 14:07

Ucrânia: ONU alerta para situação “extremamente perigosa” e apela à via diplomática

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A ONU avisou hoje que a situação na Ucrânia é “extremamente perigosa” e pediu a todas as partes que resolvam as tensões através da diplomacia, especialmente após os relatos de confrontos armados no leste do país.

“Abundam as especulações e acusações sobre um possível conflito militar. Independentemente do que se acredite sobre a perspetiva de tal confronto, a realidade é que a situação atual é extremamente perigosa”, referiu a secretária-geral adjunta da ONU para as Questões Políticas, Rosemary DiCarlo.

Para a diplomata norte-americana “não há alternativa à diplomacia” e todos os países têm de cumprir a Carta das Nações Unidas, evitando ameaças ou uso da força contra a “integridade territorial ou independência política de qualquer Estado”.

A secretária-geral adjunta da ONU falava na abertura da reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, dedicada à situação na Ucrânia e aos receios dos países ocidentais de que a Rússia prepara uma invasão iminente àquele país.

Os Acordos de Minsk, adotados desde 2014 para a resolução do conflito no leste da Ucrânia são interpretados de uma forma diferente por Moscovo e Kiev e nunca foram totalmente implementados.

DiCarlo lamentou a falta de progresso nestes acordos e manifestou preocupação com “relatos de novas violações do cessar-fogo nas últimas horas através da linha de contacto”.

“Apelamos a todas as partes para que exerçam a máxima contenção neste momento sensível”, insistiu.

O exército ucraniano e as forças separatistas pró-Rússia acusaram-se hoje mutuamente de bombardeamentos e de uma escalada de tensão no leste da Ucrânia, região em conflito desde 2014, em plena crise entre Moscovo e o Ocidente.

A reunião do Conselho de Segurança, agendada anteriormente, ganhou especial relevância com os acontecimentos dos últimos dias.

Os Estados Unidos insistiram hoje que não vêm nenhuma evidência da retirada anunciada das unidades militares russas posicionadas perto das fronteiras da Ucrânia.

“A evidência no terreno é que a Rússia está a mover-se em direção a uma invasão iminente. Este é um momento crucial”, realçou a embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, decidiu mudar a sua agenda à última da hora, para participar hoje da sessão do Conselho de Segurança antes de voar para a Alemanha, para participar da Conferência de Segurança de Munique.

Sem comentários

deixar um comentário