07 Julho 2022, 05:56

Ucrânia: Oposição parlamentar moçambicana condena “guerra de invasão”, Frelimo em silêncio

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 28 fev 2022 (Lusa) – A Renamo, principal partido da oposição moçambicana, e o MDM, terceiro partido, condenaram hoje a invasão da Rússia à Ucrânia, criticando o “silêncio” do Governo moçambicano em relação à ação militar de Moscovo.


“É inconcebível e lamentável que, em pleno século XXI, um país lance uma guerra de invasão contra outro país”, afirmou o chefe da bancada da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Viana Magalhães.


Magalhães falava no discurso de abertura da V sessão ordinária da Assembleia da República (AR), que hoje retomou os trabalhos, após o interregno de fim de ano.


A ação militar russa na Ucrânia, prosseguiu, é uma violação do Direito Internacional e mostra falta de bom senso por parte de Vladimir Putin, Presidente da Rússia.


“Apelamos a que se siga o caminho do diálogo”, declarou Viana Magalhães, cujo partido negociou vários acordos de paz para acabar com conflitos armados que o opuseram ao Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo).


O chefe da bancada parlamentar da Renamo criticou o “silêncio” do executivo de Maputo em relação à “invasão russa”, qualificando essa postura como “preocupante”.


A Frelimo foi um aliado de Moscovo durante o tempo da ex-URSS, tendo recebido apoio militar durante a luta contra o colonialismo português e ajuda económica e financeira depois da independência do país, em 1975.


Moçambique recebeu centenas de cooperantes russos de várias especialidades, no quadro da chamada política de solidariedade internacional implementada pelo ex-bloco do Leste em relação aos países da sua área de influência ideológica.


Numa nota enviada em resposta a um pedido da Lusa, o vice-chefe do Departamento de Informação do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Augusto Pelembe, “repudiou os ataques à Ucrânia” defendendo uma “saída diplomática urgente”.


“O MDM insta, através ao contínuo repúdio e condenação a estes ataques à Ucrânia. Como moçambicanos e africanos, no geral, condenámos”, lê-se no comunicado.


Augusto Pelembe assinalou que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia tem um enorme potencial de afetar a economia moçambicana, observando que o país africano importa da Rússia a maioria do trigo que consome.


A Frelimo não se quis pronunciar sobre o tema e o Governo moçambicano também ainda não falou a respeito do assunto.


A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.


O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.


O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.


                                               


PMA // LFS


Lusa/Fim


 


 


 


 

Sem comentários

deixar um comentário