05 Julho 2022, 09:16

Ucrânia: Organização do Mundial de voleibol de 2022 retirada à Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A organização do Campeonato do Mundo de voleibol de 2022, previsto para agosto e setembro, foi retirada à Rússia, devido à guerra na Ucrânia, anunciou hoje a federação internacional da modalidade (FIVB).

“Desde a invasão militar da Ucrânia pela Rússia, a FIVB está muito preocupada com o agravamento da situação e com a segurança dos ucranianos”, refere o organismo em comunicado.

A FIVB acrescenta ainda que, na reunião do seu conselho de administração, concluiu que “seria impossível preparar e organizar o Mundial de 2022 na Rússia, por causa da guerra na Ucrânia”.

A posição da FIVB, que anunciará em breve o novo país anfitrião, surge após a França, campeã olímpica, e a Polónia, bicampeã mundial, terem anunciado no fim de semana a intenção de boicotar o evento se este fosse realizado na Rússia.

Esta decisão constituiu um novo duro golpe desportivo para os russos — vice-campeões olímpicos de voleibol em Tóquio2020 — que recentemente foram excluídos do ‘play-off’ para o campeonato do Mundo de futebol do Qatar, no final do ano.

O Comité Olímpico Internacional (COI), normalmente neutro no que toca a política, recomendou na segunda-feira a proibição de russos e bielorrussos em competições desportivas, bem como na organização de eventos das modalidades.

Esta recomendação, bem com a rescisão de acordos de patrocínios, foi já seguida por modalidades como o esqui, biatlo, hóquei no gelo, Fórmula 1, râguebi, boxe, natação e badminton, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia na quinta-feira.

Sem comentários

deixar um comentário