15 Maio 2022, 10:26

Ucrânia: OSCE revela que membros da sua missão foram detidos no Donbass

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Viena, 24 abr 2022 (Lusa) – Vários membros locais da missão de observação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) foram detidos na região de Donbass, no leste da Ucrânia, anunciou hoje a organização.


“A OSCE está profundamente preocupada com o facto de vários membros nacionais da Missão Especial de Monitorização da OSCE em Donetsk e Luhansk terem sido privados da sua liberdade e está a utilizar todos os canais à sua disposição para facilitar a libertação”, revelou organização numa mensagem publicada na rede social Twitter.


Já na sexta-feira, a embaixadora adjunta da missão britânica na OSCE, Deirdre Brown, tinha notado, num discurso numa reunião da organização em Viena, a existência de “relatórios” de membros da equipa encarcerados.


“Recebemos relatos alarmantes de que os peões russos no Donbass estão a ameaçar a equipa da missão e que as forças russas têm feito prisioneiros membros da equipa “, afirmou, acrescentando: “Condenamos estas ameaças contra a missão e o seu pessoal nos termos mais veementes. Apelamos à libertação dos membros da equipa e de todos os ucranianos detidos pela Rússia”.


A Missão Especial de Observação da OSCE na Ucrânia foi enviada em 2014, na sequência de um pedido do governo ucraniano, e é composta por civis ligados ao organismo internacional, que é composto por 57 Estados, quase todos eles europeus, incluindo Portugal, ou da Ásia Central, com exceção dos Estados Unidos e do Canadá.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.


A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).



JGO // ZO


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário