13 Maio 2022, 13:30

Ucrânia: Papa pede que se reze para “acabar com loucura da guerra”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O papa Francisco pediu hoje que se reze para acabar com a “loucura da guerra” e para que os responsáveis das Nações Unidas “não esqueçam o sentimento de quem quer a paz e sabe que as armas não a trazem”.

Após rezar a Regina Coeli (oração Rainha do Céu, em honra de Nossa Senhora) na Praça de São Pedro, o papa pediu “que se confie à Virgem o desejo ardente de paz de tantas populações do mundo que sofrem o desastre sem sentido da guerra” e também o “sofrimento e as lágrimas dos ucranianos”.

“Diante da loucura da guerra, continuemos a rezar o terço”, disse Francisco, lembrando a iniciativa de rezar um terço pela paz todas as tardes.

“E rezemos para que os responsáveis pelas Nações Unidas não esqueçam os sentimentos das pessoas que querem a paz e sabem bem que as armas nunca a trazem”, acrescentou.

Numa entrevista recente ao jornal italiano Corriere della Sera, sobre se é lícito que os países enviem armas para a Ucrânia, o papa respondeu estar “muito longe” da questão de saber “se é correto fornecer aos ucranianos”.

“É claro que as armas estão a ser testadas naquela terra. Os russos agora sabem que os tanques são de pouca utilidade e estão a pensar em outras coisas. As guerras são travadas para isso: para testar as armas que produzimos”, disse.

Após a oração, Francisco pediu ainda aos fiéis para que rezem pelas vítimas da explosão do hotel Saratoga, em Havana, Cuba, na qual morreram 27 pessoas, “para que Cristo as guie até à casa do pai”, pedindo também que se dê “todo o apoio aos familiares”.

Sem comentários

deixar um comentário