03 Julho 2022, 21:44

Ucrânia: Parlamento Europeu quer “enfrentar o futuro” com Kiev e apoia candidatura à UE

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A presidente do Parlamento Europeu apoiou hoje a atribuição à Ucrânia do estatuto de candidato à União Europeia (UE), após a invasão russa, vincando querer “enfrentar o futuro” com o país e apoiando-o “na luta pela sobrevivência”.

“Reconhecemos a perspetiva europeia da Ucrânia. Como a nossa resolução [que será hoje debate] afirma claramente, congratulamo-nos com a candidatura da Ucrânia ao estatuto de candidato [à UE] e, trabalharemos em prol desse objetivo”, salientou Roberta Metsola.

Intervindo em Bruxelas na sessão plenária extraordinária da assembleia europeia dedicada aos confrontos na Ucrânia, devido à invasão russa do país na semana passada, a líder do Parlamento Europeu afincou: “Temos de enfrentar o futuro juntos”.

Dirigindo-se ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que participou na ocasião com uma mensagem por videoconferência, Roberta Metsola assegurou que “a Europa está pronta a ir ainda mais longe”, nomeadamente após as pesadas sanções impostas nos últimos dias.

“Senhor presidente, estamos consigo na sua luta pela sobrevivência, neste momento negro da nossa história”, assegurou a responsável.

De acordo com Roberta Metsola, a Ucrânia tem no Parlamento Europeu “um aliado, um espaço para se dirigir à Europa e ao mundo, e sempre, sempre, sempre um amigo”.

“O Parlamento Europeu tem uma longa e orgulhosa história de ser um espinho do lado dos autocratas e, nesse espírito, procurarei proibir qualquer representante do Kremlin de entrar nas instalações do Parlamento Europeu. Os agressores e belicistas não têm lugar na casa da democracia”, concluiu.

Roberta Metsola defendeu ainda que, após os ataques russos na Ucrânia, “a Europa já não pode continuar a depender do gás do Kremlin” nem “pode acolher o dinheiro do Kremlin e fingir que não há compromissos”, devendo por seu lado “avançar para ter uma verdadeira União de segurança e defesa” e para “combater a campanha de desinformação” russa.

O Parlamento Europeu vai hoje adotar uma resolução sobre a “agressão russa contra a Ucrânia”, ocasião na qual defenderá a concessão à Ucrânia do estatuto de país candidato à adesão.

De acordo com o projeto do texto que irá a votos, ao qual a Lusa teve acesso e que já foi acordado entre as principais bancadas do Parlamento, os eurodeputados irão “exortar as instituições da UE a trabalharem no sentido de conceder à Ucrânia o estatuto de candidato à União Europeia, em conformidade com a artigo 49 do Tratado e com base no mérito”.

A assembleia irá também defender que, “entretanto”, prossiga o trabalho “no sentido da integração [da Ucrânia] no Mercado Único da UE, de acordo com as linhas do acordo de associação” existente.

A resolução será votada após o debate no hemiciclo de Bruxelas.

Na segunda-feira, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, assinou o pedido formal para a entrada do país na UE, tendo Bruxelas recordado que “há um procedimento a respeitar”, complexo e moroso.

Sem comentários

deixar um comentário