03 Julho 2022, 21:51

Ucrânia: Pelo menos um morto em ataque com drones em Kiev

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Pelo menos uma pessoa foi morta hoje num ataque com drones russos em Kiev, segundo jornalistas da France-Presse, coincidindo com o apelo do governo ucraniano a um fabricante chinês para bloquear aparelhos destes que diz serem usados pelo exército russo.

Um ataque com drones a um edifício em Kiev, capital ucraniana, foi confirmado por jornalistas da agência francesa, referindo que socorristas retiraram pelo menos um corpo com um uniforme militar do edifício de sete andares.

Soldados presentes no local relataram um ataque de drones “kamikaze” pelo exército russo, um dos quais foi abatido, sendo visíveis restos do aparelho no chão não muito longe do local.

Um membro dos serviços secretos militares, questionado junto ao edificio atacado, referiu-se a um ataque aéreo realizado com recurso a drones do tipo «Orlan», um tipo de veiculo não tripulado desenvolvido na Rússia, dizendo que tinha matado três pessoas — o que não foi possível confirmar – e causado um incêndio.

“Dois dos dispositivos foram abatidos”, disse a mesma fonte, que pediu anonimato.

Este ataque coincidiu com um apelo do vice-primeiro-ministro ucraniano, Mykhailo Federov, à DJI Technology Co., sediada em Shenzhen, perto de Hong Kong, um dos maiores fabricantes de drones de uso civil, muito usados por fotógrafos e empresas, por exemplo.

As forças russas “estão a usar produtos DJI para direcionarem mísseis”, escreveu Federov numa carta dirigida à empresa e divulgada no Twitter, pedindo que desative os drones na Ucrânia que foram comprados e ativados na Rússia, Síria ou Líbano.

“Bloqueiem os vossos produtos que estão a ajudar a Rússia a matar os ucranianos!”, lê-se na carta divulgada no Twitter.

A empresa eespondeu que não pode desativar os drones individuais, mas pode impor restrições de software que normalmente são usadas para mante-los longe de aeroportos ou outras áreas sensíveis, avisando contudo que “não é infalível” e isso afetaria todos os drones DJI na Ucrânia.

A empresa está “disponível para discutir estas questões”, adiantou a DJI, que não respondeu ao apelo de Federov para parar de fazer negócios com a Rússia.

Federov disse ter informação de que os russos usaram uma versão da tecnologia AeroScope da DJI adquirida na Síria.

Sem comentários

deixar um comentário