14 Maio 2022, 08:31

Ucrânia: Pelosi pede à Europa para sancionar Moscovo como fazem os EUA

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Cracóvia, 02 mai 2022 (Lusa) — A presidente da Câmara de Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, disse hoje em Varsóvia que a União Europeia (UE) se deve “comportar de maneira semelhante” a Washington, no que respeita às sanções contra Moscovo.


Pelosi – que está em visita oficial à Polónia, depois de se ter encontrado no sábado em Kiev com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky – lembrou que esta semana o Congresso dos Estados Unidos adotou legislação “para congelar os ativos russos e depois usá-los” para ajudar a reconstruir a Ucrânia, sugerindo que os aliados europeus sigam os mesmo caminho.


Depois de reunir com o Presidente polaco, Andrzej Duda, e com a sua homóloga polaca, Elzbieta Witek, Pelosi sublinhou que as sanções em vigor contra Moscovo são “uma resposta muito forte, que mostra que a decisão russa de atacar a Ucrânia não irá ser tolerada”.


A líder democrata da Câmara de Representantes dos EUA referiu-se à sua visita a Kiev como “útil”, realçando a importância de determinar as “prioridades” da ajuda norte-americana na resistência contra a invasão russa.


Questionada sobre se tinha discutido com o Presidente Duda a ampliação das bases militares da NATO na Polónia, Pelosi disse que apenas falado do assunto com o embaixador dos EUA em Varsóvia, Marek Brzezinski.


Pelosi, que também hoje participou numa homenagem ao Soldado Desconhecido polaco, referiu-se “à generosidade e ao exemplo que os polacos dão a todo o mundo”.


Antes da reunião com Duda, nas redes sociais, Pelosi declarou a solidariedade “ombro a ombro” dos Estados Unidos com a Ucrânia e disse que Washington apoiará a Ucrânia na guerra iniciada por Moscovo “até que a vitória seja alcançada”.


Na visita à Europa, Pelosi apareceu acompanhada de uma delegação de congressistas democratas, para, nas suas palavras, “enviar uma mensagem de unidade do Congresso dos Estados Unidos, uma mensagem de agradecimento do povo americano” à “coragem da Ucrânia”.



RJP // SLX


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário