06 Fevereiro 2023, 06:49

Ucrânia: Pentágono deteta reforço das forças russas no Donbass

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

As forças russas estão a reforçar-se em torno do Donbass perto da cidade estratégica de Izium, mas ainda não iniciaram a ofensiva para garantir o controlo total desta região do leste ucraniano, indicou hoje um alto responsável do Pentágono.

“Verificámos os esforços dos russos para se reabastecerem e se reforçarem no Donbass”, declarou aos ‘media’ o responsável, que se pronunciou sob anonimato, ao referir-se designadamente a uma coluna de tanques a norte de Izium.

O Pentágono considera que esta coluna de tanques inclui elementos de comando e de controlo, um batalhão de apoio de manutenção de helicópteros e um batalhão de logística para a infantaria, precisou.

As forças russas também estão a reforçar-se a sudoeste de Donetsk (leste), em particular com artilharia, mas “não consideramos que a nova ofensiva começou”, acrescentou, citado pela agência France-Presse.

O alto responsável do Ministério da Defesa norte-americano confirmou que o general Alexandre Dvornikov, que desempenhou funções de comando na guerra da Síria, está a dirigir esta ofensiva.

“Devido aos grandes problemas de logística e de aprovisionamento, devido às suas dificuldades em manobrar, devido aos seus problemas de coordenação, de moral, de organização hierárquica, não é seguro que possa ser muito eficaz”, considerou.

O general Dvornikov comandou a ofensiva no sul no início da invasão “e os russos não tiveram mais sucesso no sul do que no norte”, disse.

Sem comentários

deixar um comentário