07 Outubro 2022, 06:43

Ucrânia: PR considera que se vive “momento de maior esperança” nas negociações de paz

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Presidente da República considerou hoje que se está a viver o “momento de maior esperança” nas negociações entre a Rússia e a Ucrânia, apelando a que se traduza em “sinais sérios” e não “jogadas ou manobras de diversão”.

“Já há alguns dias tenho vido a dizer, cuidadosamente, que há sinais de avanços para aquilo que é fundamental: a paz. Têm que ser sinais sérios, não podem ser jogadas ou manobras de diversão, a ganhar tempo, em termos de domínio do território”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República falava aos jornalistas durante uma visita à Bolsa de Turismo de Lisboa, que decorre entre hoje e dia 20 de março na Feira Internacional de Lisboa (FIL), tendo reagido às palavras do Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, que afirmou hoje que há “alguma esperança de compromisso” nas negociações com a Ucrânia.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “tudo o que está a passar-se a uma velocidade aparentemente crescente, é positivo”, salientando que as negociações são uma “corrida contra o tempo”.

“Quanto mais depressa for possível chegar a um cessar-fogo, a negociações que sejam frutuosas, e a uma solução que seja duradoura, melhor: melhor para a Ucrânia, martirizada, melhor para a Rússia, melhor para a Europa e melhor para o mundo”, disse.

O Presidente da República frisou que as negociações são “um processo, que tem avanços e recuos”, considerando que se está a viver o “momento de maior esperança” desde o início da guerra na Ucrânia: “É bom que se concretiza essa esperança”, acrescentou.

Questionado pelos jornalistas sobre a iniciativa da Polónia — que apelou, na terça-feira, a que a NATO envie uma “missão de paz” armada para a Ucrânia, com vista a prestar “ajuda humanitária e pacificadora” -, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou não querer “entrar em pormenores”, considerando que “tudo o que se diga agora, dificulta, não facilita”.

“O que tem de ser decidido, negociado, ajustado, é de forma discreta. Aquilo que se diz em público, é respeitável, mas acho que Portugal tem tomado uma posição muito sensata — o senhor primeiro-ministro, o senhor ministro dos Negócios Estrangeiros, o senhor ministro da Defesa Nacional, o Presidente da República – que é não falar para além de aquilo que é estritamente necessário”, afirmou.

Marcelo considerou que “é melhor deixar seguir o curso cuidadoso dos acontecimentos”, relembrando que a União Europeia são “27 países”, a que acrescem ainda os aliados, tendo todos “muitas ideias” e “muitas iniciativas” diversas, “muitas delas boas”.

Sem comentários

deixar um comentário