15 Maio 2022, 00:51

Ucrânia: PR espera que abertura de corredores humanitários tenha “pernas para andar”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 27 abr 2022 (Lusa) — O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que espera que a ideia de abrir alguns corredores humanitários na Ucrânia tenha “pernas para andar” após o encontro entre António Guterres e Volodymyr Zelensky.


O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e o presidente ucraniano reúnem-se na quinta-feira, em Kiev, depois de o português se ter encontrado com o presidente russo, Vladimir Putin, na terça-feira, em Moscovo, para mediar o conflito.


“O próprio secretário-geral foi cuidadoso, baixou as expectativas dizendo que era difícil convencer Putin, mas que persistia com a ideia de ser possível abrir pelo menos alguns corredores humanitários, que é dramático em certas áreas da Ucrânia, como Mariupol e zonas muito sensíveis. Vamos ver se, depois do encontro com o presidente Zelensky, essa ideia tem pernas para andar ou não”, expressou o chefe de Estado aos jornalistas.


À margem da receção à Missão Portuguesa aos Jogos Surdolímpicos, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que “há um jogo de palavras nestas situações militares, em que o que se diz é para produzir efeito dos vários lados”, considerando que este processo de Guterres é “discreto, difícil e que exigirá muito por parte do secretário-geral da ONU”.


Enquanto “um pretende certos objetivos no terreno e conquistá-los rapidamente”, o outro “está a defender o seu país e a integridade territorial, não querendo obviamente perder fatias do território”, num diálogo entre “duas posições tão opostas”, apontou.


“É muito importante perceber-se qual é o estado de espírito. Assim como o secretário-geral da ONU foi muito claro a dizer que era difícil convencer Putin, agora vamos ver o que ele diz, se é fácil ou difícil convencer o presidente Zelensky. Cada um deles, como diz o povo português, puxa a brasa à sua sardinha”, realçou Marcelo Rebelo de Sousa.


A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, desencadeando uma guerra que provocou um número de baixas civis e militares ainda por determinar.


A ONU confirmou hoje que pelo menos 2.787 civis morreram e 3.152 ficaram feridos, mas manteve o alerta para a probabilidade de os números serem consideravelmente superiores.


O conflito, que dura há 63 dias, levou mais de 5,3 milhões de pessoas a fugir da Ucrânia, na pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).


Cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia, segundo a ONU.


 


DYRP//RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário