13 Maio 2022, 23:01

Ucrânia: Preço do milho subiu 20% até março e consumo deverá aumentar 3,4%

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 05 mai 2022 (Lusa) — O preço do milho aumentou 20% no primeiro trimestre, atingindo 335 dólares (cerca de 318 euros) por tonelada, enquanto a produção mundial, nesta campanha, deverá aumentar 7,5% e o consumo 3,4%, segundo um relatório hoje divulgado.


“No que respeita ao milho, é avançado que os preços deste cereal subiram 20% no primeiro trimestre de 2022, chegando ao valor de 335 dólares/tonelada em março. A guerra na Ucrânia levanta muitas incertezas no mercado global de grãos. O país agora em guerra representa 3,5% da produção mundial de milho”, indicou, em comunicado, a Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo (Anpromis), citando dados do relatório “O impacto da guerra da Ucrânia no mercado das ‘commodities'”, do World Bank Report.


A produção mundial de milho deverá aumentar, nesta campanha, 7,5% e o consumo 3,4%.


Entre janeiro e março, o índice de preços de grãos do Banco Mundial subiu 14%, sendo quase 20% superior ao registado no mesmo período do ano anterior.


Por sua vez, o índice de preços de fertilizantes cresceu 10%, seguindo a tendência verificada no ano passado, “quando se registou um aumento dos preços na ordem dos 80% devido a interrupções de fornecimento, crescimento do custo das matérias-primas e restrições comerciais na China e na Rússia”.


Prevê-se ainda um crescimento de 70% no valor dos fertilizantes, em consequência da guerra, tendo em conta que a Rússia e a Bielorrússia estão entre os principais fabricantes de fertilizantes e os maiores fornecedores de gás natural, utilizado nos fertilizantes nitrogenados.


O preço das ‘commodities’ (bens ou produtos primários) não energéticas, onde se incluem os produtos agrícolas, deverá progredir quase 20% em 2022 e recuar nos dois anos seguintes, mas permanecendo acima da última média quinquenal.


“No caso de uma guerra prolongada ou de sanções adicionais à Rússia, os preços podem tornar-se ainda mais altos e mais voláteis que as projeções atuais”, alertou.


Já o valor do petróleo bruto (Brent) poderá atingir, em média, 100 dólares (aproximadamente 95 euros) por barril em 2022, o nível mais alto desde 2013, “o que representa um aumento de mais de 40% em relação a 2021”.


Contudo, este valor deverá baixar para 92 dólares (87 euros) em 2023.


“O aumento resultante nos preços dos alimentos e da energia impõe grandes desafios para o ser humano. Provavelmente impedirá avanços na redução da pobreza. Preços de ‘commodities’ mais altos exacerbam as pressões inflacionárias, já elevadas em todo o mundo”, afirmou, no mesmo documento, o diretor do grupo de perspetivas do Banco Mundial, Ayhan Kose.



PE // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário