09 Dezembro 2022, 23:34

Ucrânia: Presidente do Conselho Europeu denuncia “atrocidades” em Bucha

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 03 abr 2022 (Lusa) – O Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, acusou hoje o exército russo de cometer “atrocidades” na região de Kiev e pediu mais sanções contra Moscovo.


“Eu estou chocado com as imagens assombrosas das atrocidades cometidas pelo Exército russo na região libertada de Kiev”, escreveu Michel na rede social Twitter, mencionando a ‘hashtag’ “#BuchaMassacre”, em homenagem à localidade ucraniana tomada dos russos, onde quase 300 pessoas foram enterradas em valas comuns.


“A União Europeia (UE) está a ajudar a Ucrânia e as ONG [organizações não-governamentais] a reunir as provas necessárias para os procedimentos perante os tribunais internacionais”, disse o presidente do Conselho Europeu.


“Mais sanções e ajuda da UE estão a caminho”, acrescentou.


A Ucrânia denunciou hoje um “massacre deliberado” atribuído aos russos em Bucha, um dia após a descoberta de vários cadáveres nesta cidade a noroeste de Kiev.


A UE já adotou vários conjuntos de sanções contra Moscovo desde a ofensiva na Ucrânia, visando massivamente empresas, bancos, altos funcionários, oligarcas e proibindo a exportação de mercadorias para a Rússia.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.


A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.


A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.


CSR//RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário