09 Setembro 2022, 06:01

Ucrânia: Primeiro navio carregado de cereais parte com ajuda alimentar para África

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um navio fez hoje o primeiro carregamento de trigo na Ucrânia para ajuda alimentar na Etiópia, a primeira entrega de alimentos à África no âmbito plano mediado pela ONU para desbloquear os cereais retidos naquele país.

Durante meses, os combates e um bloqueio russo fizeram com que os cereais produzidos na Ucrânia, conhecida como o celeiro do mundo, ficassem retidos em silos, fazendo aumentar os preços dos alimentos e levando à fome em África, Médio Oriente e partes da Ásia.

Nos últimos dias, vários navios carregados de cereais deixaram os portos ucranianos no âmbito do novo acordo — só que a maioria dos carregamentos foi de ração para animais e teve como destinos a Turquia ou a Europa Ocidental.

Porém, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, anunciou que o primeiro carregamento do Programa Alimentar Mundial (PAM) de ajuda humanitária para a África ocorreria hoje e que depois de carregar o navio partiria. À tarde, o ‘site’ MarineTraffic mostrava o navio a navegar em direção ao sul da Ucrânia.

Charles Michel adiantou que o navio carregado de cereais iria para a Etiópia, sublinhando que “a cooperação de todos os atores envolvidos é fundamental” para aliviar a escassez de alimentos e a fome em todo o mundo. Este carregamento representa, segundo o mesmo responsável, apenas uma pequena parcela dos cerca de 20 milhões de toneladas de cereais retidos na Ucrânia.

O navio deverá atracar em Djibuti, no Corno de África.

A Etiópia, juntamente com os vizinhos Somália e Quénia, está a enfrentar a seca mais severa registada nos últimos 40 anos na região do Corno da África. Milhares de pessoas em toda a região morrem de fome ou doença este ano.

As previsões para as próximas semanas indicam que, pela primeira vez, uma quinta estação chuvosa consecutiva não acontecerá. Milhões de animais, base da riqueza e da segurança alimentar de muitas famílias, morreram.

“Milhões de famílias vão lutar para lidar com esses choques” na Etiópia, de acordo com uma nova avaliação da Famine Early Warning Systems Network. “As necessidades de ajuda alimentar estão em níveis recordes, com até 15 milhões de pessoas a precisar de assistência”, afirmou.

Embora um carregamento não tenha nenhum efeito importante na crise, o PAM considera-o como um “passo importante” para levar os cereais ucranianos para as nações mais afetadas.

A notícia deste carregamento, que trouxe uma rara luz de esperança, teve um efeito esbatido pelos combates incessantes na região leste ucraniana de Donbas, onde grande parte dos combates se concentra, num momento em que se completam quase seis meses de guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

A cidade de Kramatorsk foi atingida por 11 roquetes durante a noite. Sete pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas dentro e ao redor da cidade, que continua sem gás, água canalizada e eletricidade.

Sem comentários

deixar um comentário