05 Outubro 2022, 15:59

Ucrânia: Provas de massacres em Busha e Kiev têm de ser preservadas – ONU

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos defendeu hoje que sejam preservadas todas as provas dos aparentes massacres de civis na cidade ucraniana de Busha e nos arredores de Kiev, a fim de se estabelecerem responsabilidades.

“As informações que estão a surgir desta zona e de outros lugares levantam questões sérias e preocupantes sobre possíveis crimes de guerra e graves violações do direito internacional humanitário e dos direitos humanos”, sublinhou Michelle Bachelet, em comunicado hoje divulgado.

Admitindo “estar horrorizada” com as imagens dos cadáveres nas ruas de Busha, a alta-comissária referiu ser necessário que “todos os corpos sejam exumados e identificados” para permitir informar as famílias das vítimas e determinar as causas exatas da morte.

Dezenas de civis mortos foram encontrados em Busha, uma cidade a 60 quilómetros de Kiev, espalhados na rua, nalguns casos com as mãos amarradas nas costas e atirados em valas comuns, tendo as autoridades ucranianas e os seus aliados acusado os soldados russos de terem cometido esses crimes.

Moscovo rejeitou em absoluto qualquer responsabilidade e disse que foi feita uma encenação por Kiev.

Algumas imagens foram mostradas depois de as autoridades terem admitido estarem a fazer vídeos para documentar as evidências dos alegados crimes de guerra, provocando uma condenação internacional quase unânime.

O conselheiro do Presidente ucraniano Oleksiy Arestovych considerou as imagens como uma “cena de um filme de terror”, referindo que algumas pessoas estavam amarradas e baleadas na cabeça e os corpos mostravam sinais de tortura, existindo ainda relatos de violações.

“É vital realizar uma investigação independente e eficaz” sobre o que aconteceu em Busha, sublinhou a alta-comissária da ONU.

A Ucrânia já tinha acusado a Rússia de cometer um “massacre deliberado” em Busha e outros “horrores” nas regiões que, entretanto, foram libertadas.

“Isto está a acontecer na Europa e no século XXI”, sublinhou, no domingo, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sublinhando que “toda a nação está a ser torturada”.

Sem comentários

deixar um comentário