15 Maio 2022, 14:06

Ucrânia: Putin acusa Kiev de impedir rendição de soldados ucranianos em Mariupol

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, 22 abr 2022 (Lusa) — O Presidente russo, Vladimir Putin, denunciou hoje que o Governo ucraniano se recusou a permitir a rendição dos últimos soldados ucranianos entrincheirados na zona industrial de Azovstal, no porto sitiado de Mariupol.


“A vida de todos os militares ucranianos, combatentes nacionalistas e mercenários estrangeiros será garantida, se depuserem as armas (…) Mas o regime de Kiev não autoriza essa possibilidade”, disse Putin, de acordo com um comunicado do Kremlin que resume uma conversa telefónica do líder russo com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.


Na quinta-feira, Putin ordenou o cerco do enorme complexo industrial de Azovstal, onde Moscovo diz estarem 2.000 soldados, mas pediu que a fábrica siderúrgica não fosse invadida para “preservar a vida” dos soldados russos.


Hoje, o Presidente russo considerou “irresponsáveis as declarações dos representantes da União Europeia sobre a necessidade de resolver a situação na Ucrânia por meios militares, bem como o facto de ignorarem muitos crimes de guerra por parte dos ucranianos”.


Putin também acusou “os líderes da maioria dos países da União Europeia de tolerarem ações abertamente russofóbicas”, numa referência à exclusão de personalidades russas de eventos culturais e desportivos.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.


A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).



RJP // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário