12 Agosto 2022, 19:44

Ucrânia: Putin vai recusar reconhecimento de territórios separatistas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A Presidência russa deu hoje uma indicação de que Vladimir Putin vai recusar o reconhecimento das autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk na Ucrânia, por isso constituir uma violação dos Acordos de Minsk.

Numa resolução aprovada na terça-feira, o Parlamento russo (Duma) apelou a Putin para que reconheça as repúblicas da região do Donbass, no sudeste da Ucrânia, proclamadas por separatistas pró-Moscovo em guerra contra Kiev desde 2014, com apoio da Rússia.

“Sem dúvida, o reconhecimento não corresponde aos Acordos de Minsk”, disse o porta-voz do Kremlin (Presidência), Dmitry Peskov, citado pela agência estatal russa TASS e pela espanhola EFE, ao ser questionado sobre a reação de Putin ao pedido parlamentar.

Peskov disse que Putin tomou nota do apelo, mas “salientou que o crucial é ajudar a resolver a situação no sudeste” da Ucrânia.

“E isso só pode ser feito através de esforços abrangentes para facilitar a implementação do Pacote de Medidas de Minsk”, disse o porta-voz do Kremlin.

“É nisto que o presidente se vai concentrar”, acrescentou, citado pela TASS.

Peskov disse que Putin defendeu em várias ocasiões o cumprimento dos acordos assinados em 2015, sob mediação francesa e alemã, que preveem um estatuto especial para os territórios controlados pelos separatistas.

Mas, considerou Peskov, a resolução parlamentar é um “indicador claro do estado de espírito dos deputados e da opinião pública prevalecente no país”.

De acordo com o porta-voz, a lei russa não impõe quaisquer prazos ou obrigações ao chefe de Estado para responder à resolução parlamentar.

A iniciativa da Duma foi de imediato condenada pela Ucrânia e pelos países ocidentais, que alertaram que o reconhecimento dos territórios separatistas significaria o fim do processo de paz no Leste da Ucrânia.

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, disse, na terça-feira, esperar que Moscovo cumpra “os seus compromissos e participe de boa-fé” nas negociações sobre o Donbass no chamado Formato da Normandia com a Ucrânia, com mediação da França e da Alemanha.

A última reunião dos líderes dos quatro países do Formato Normandia realizou-se em 2019, em Paris.

Nas últimas semanas, realizaram-se duas reuniões de conselheiros políticos no Formato Normandia, sem sucesso, no âmbito da atual crise sobre a Ucrânia.

A guerra na região do Donbass começou em 2014, quando a Rússia invadiu e anexou a península ucraniana da Crimeia.

Desde então, o conflito provocou cerca de 14.000 mortos e 1,5 milhões de deslocados, segundo as Nações Unidas.

Sem comentários

deixar um comentário