23 Maio 2022, 00:43

Ucrânia: Reino Unido não quer que o conflito ultrapasse fronteiras da Ucrânia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 26 abr 2022 (Lusa) – O primeiro-ministro britânico disse hoje que o Reino Unido não quer “que a guerra alastre para além das fronteiras da Ucrânia” e rejeitou que o Ocidente estivesse envolvido numa guerra com a Rússia através de ‘terceiros’.


Citado pela agência de notícias AP, Boris Johnson vincou que não deseja que a guerra se espalhe para além das fronteiras da Ucrânia, mas explicou que como os ucranianos “estão a ser atacadas desde o interior da Rússia, têm o direito de se protegerem e de se defenderem”, atacando também o território russo.


A entrevista à estação de televisão britânica Talk TV serviu também para o líder do governo britânico responder às alegações do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, que acusou a Organização do Tratado Atlântico Norte (OTAN, ou NATO na sigla inglesa) de estar a “deitar achas para a fogueira”, ao apoiar a Ucrânia e que o risco de uma terceira guerra mundial não deve ser subestimado.


A Rússia, aliás, criticou especificamente o Reino Unido depois de um ministro britânico ter dito que é legítimo a Ucrânia atingir depósitos de combustível com armas britânicas.


“É muito, muito importante que não aceitemos a maneira como os russos estão a tentar enquadrar o que se está a passar na Ucrânia”, salientou Boris Johnson na entrevista, especificando que “eles estão a tentar enquadrar isto como um conflito entre a Rússia e o Ocidente, ou entre a Rússia e a NATO, e não é isso que se passa”.


A invasão russa — justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.


A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 62.º dia, já matou mais de 2.500 civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito mais elevado.



MBA //RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário