04 Julho 2022, 15:11

Ucrânia: Roman Abramovich vai vender o Chelsea “devido à atual situação”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O proprietário do Chelsea, o milionário russo Roman Abramovich, anunciou hoje que vai vender o clube campeão da Europa e do Mundo de futebol, “devido à atual situação” em que a Rússia invadiu a Ucrânia.

Num comunicado hoje tornado público pelos londrinos, o milionário de 55 anos confirma a decisão “de vender o clube, por acreditar ser nos melhores interesses de clube, adeptos, funcionários, patrocinadores e parceiros”.

Abramovich, de 55 anos, é dono do Chelsea desde 2003 e garante que este processo de venda “seguirá o processo devido e não será acelerado”, e não vai exigir o pagamento de “quaisquer empréstimos”, ou seja, dinheiro que colocou no clube.

“Nunca foi um negócio, nunca foi pelo dinheiro, mas antes por pura paixão pelo futebol e pelo clube. Instruí a minha equipa a criar uma fundação através da qual todos os lucros líquidos da venda serão doados”, explica Abramovich.

Segundo o ainda dono do Chelsea, este dinheiro será doado “a todas as vítimas da guerra na Ucrânia”.

A decisão, garante, foi “incrivelmente difícil de tomar”, mas espera “poder visitar Stamford Bridge uma última vez para dizer adeus”.

Em 26 de fevereiro, o empresário, que desde abril também tem a nacionalidade portuguesa, já tinha confiado a liderança do emblema inglês aos administradores da fundação de caridade do clube.

A posição surge ainda no meio de uma ‘barreira’ de sanções e críticas generalizadas por todo o mundo devido à ofensiva militar russa na Ucrânia.

Sem comentários

deixar um comentário