05 Outubro 2022, 20:17

Ucrânia: Rússia bombardeia teatro de Mariupol onde estavam centenas de civis

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

As tropas russas bombardearam hoje um teatro de Mariupol, no sudeste da Ucrânia, que servia de abrigo a centenas de civis residentes na cidade cercada, fazendo um número ainda indeterminado de mortos e feridos, segundo fontes ucranianas.

A Rada (parlamento) da Ucrânia indicou que no interior do teatro, que ficou reduzido a escombros, se tinham refugiado dos bombardeamentos muitos civis e que se desconhece se há sobreviventes, porque nas imediações do edifício decorre uma intensa batalha e ninguém consegue entrar na zona.

O vice-presidente da Câmara de Mariupol, Serhiy Orlov, indicou que no teatro estavam abrigadas entre 1.000 e 1.200 pessoas, mas que neste momento não há ainda números relativos a vítimas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, declarou que se trata de “outro horrível crime de guerra” cometido pela Rússia em Mariupol e que o edifício do teatro “está completamente destruído”.

“Houve um maciço ataque russo ao Drama Theater, onde estavam refugiados centenas de civis inocentes”, escreveu o ministro na rede social Twitter, acrescentando, em tom irónico, que “os russos não podiam saber que era um refúgio civil”.

A situação é desesperada desde há dias em Mariupol, uma estratégica cidade portuária ucraniana na costa do mar interior de Azov, localizada entre a península da Crimeia (anexada pela Rússia em 2014) e o leste separatista de Donbass, pelo que a sua conquista é um objetivo prioritário das tropas russas.

Sem comentários

deixar um comentário