15 Maio 2022, 00:31

Ucrânia: Rússia diz que destruiu armamento entregue a Kiev

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 28 abr 2022 (Lusa) — A Rússia disse na quarta-feira ter destruído “uma grande quantidade de armamento” fornecido por países ocidentais à Ucrânia, uma afirmação desmentida pelas autoridades ucranianas.


O Ministério da Defesa russo afirmou que “camiões com uma grande quantidade de armas e munições estrangeiras, entregues às forças ucranianas pelos Estados Unidos e países europeus, foram destruídos com mísseis Kalibr disparados do mar contra uma fábrica de alumínio em Zaporijia”.


O governador da região do sul da Ucrânia, Oleksandr Starukh, garantiu, no entanto, que “nenhum depósito de munições e armas foi atingido em Zaporijia”, sublinhando que a fábrica afetada “não funciona há seis anos”.


Na semana passada, o Presidente norte-americano, Joe Biden, tinha anunciado um novo pacote de 800 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia e outros 500 milhões de dólares em assistência financeira.


O pacote militar inclui 72 obuses Howitzer de 155 milímetros e 144.000 peças de artilharia, 72 veículos táticos para transportar esses canhões, 121 ‘drones’ Phoenix e outros equipamentos.


Este material acresce aos 18 Howitzers que Washington também já tinha autorizado, num outro pacote, há duas semanas.


Os Estados Unidos começaram a enviar este tipo de canhões para a Ucrânia desde o início da nova etapa da ofensiva russa, centrada no leste ucraniano, na região do Donbass, onde o terreno é mais plano que em outras partes do país.


Desde a chegada de Joe Biden ao poder, em janeiro de 2021, os EUA já destinaram mais de 4.000 milhões de dólares em assistência de segurança para a Ucrânia, sendo que 3.400 milhões de dólares foram atribuídos desde o começo da invasão russa.


A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, desencadeando uma guerra que provocou um número de baixas civis e militares ainda por determinar.


A ONU confirmou hoje que pelo menos 2.787 civis morreram e 3.152 ficaram feridos, mas manteve o alerta para a probabilidade de os números serem consideravelmente superiores.


O conflito levou mais de 5,3 milhões de pessoas a fugir da Ucrânia, na pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).


Cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia, segundo a ONU.



VQ (DMC) // VQ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário