06 Julho 2022, 06:53

Ucrânia: Rússia, é altura de parar a guerra, voltar para casa e dialogar – Charles Michel

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, instou hoje a Rússia a “parar a guerra, voltar para casa e dialogar” com a Ucrânia, após a invasão russa do país, acusando o Presidente russo, Vladimir Putin, de “terrorismo geopolítico”.

“Vladimir Putin lançou uma brutal invasão maciça da Ucrânia, injustificada e não provocada baseada no discurso de mentiras e ele fê-lo apenas por uma razão, porque o povo da Ucrânia fez a escolha da liberdade, da democracia e do Estado de direito”, disse Charles Michel.

Intervindo em Bruxelas na sessão plenária extraordinária da assembleia europeia dedicada aos confrontos na Ucrânia, após a invasão russa do país na semana passada, o líder do Conselho Europeu deixou “uma mensagem comum para a Rússia: Rússia, acaba a guerra, vai para casa, vamos dialogar”.

Segundo Charles Michel, “não é só a Ucrânia que está sob ataque […] e isto é terrorismo geopolítico, puro e simples”.

“Mais uma vez, o sangue e a guerra chegaram ao solo europeu. Temos de apoiar a Ucrânia. Temos de proteger a paz. Temos de proteger a democracia e o direito internacional”, sustentou.

Salientando que “o desafio é muito sério”, o responsável argumentou que também assim devem ser as decisões que a União Europeia vai “tomar em conjunto”, nomeadamente em termos de “sanções sem precedentes”, como as adotadas nos últimos dias.

“Estamos a colocar a máxima pressão sobre a Rússia e nos seus líderes. Estamos a intensificar o nosso apoio à Ucrânia e ao povo ucraniano. Saúdo a coragem e a compostura e é também nosso dever estar à altura deste momento histórico”, concluiu Charles Michel, dirigindo-se ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Sem comentários

deixar um comentário