25 Setembro 2022, 07:41

Ucrânia: Rússia nega “categoricamente” massacre de civis em Busha

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A Rússia negou hoje “categoricamente” as acusações de “massacre” e “genocídio” relacionadas com descoberta de um grande número de cadáveres de civis em Busha, nos arredores de Kiev, e anunciou uma “avaliação judicial da provocação” ucraniana.

“Rejeitamos categoricamente todas as acusações”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, a jornalistas, alegando que especialistas do Ministério da Defesa russo encontraram sinais de “adulteração de vídeo” e de “falsificações” nas imagens apresentadas pelas autoridades ucranianas como prova de um massacre de civis atribuído à Rússia.

O chefe da Comissão de Investigação da Rússia, Alexander Bastrykin, ordenou “uma avaliação judicial da provocação por parte da Ucrânia sobre o homicídio de civis em Busha”, indicou hoje um comunicado deste órgão responsável pelas principais investigações criminais no país.

“Para desacreditar os militares russos, o Ministério da Defesa ucraniano divulgou à comunicação social ocidental imagens filmadas em Busha, na região de Kiev, como prova de um homicídio em massa de civis”, refere.

No entanto, acrescenta, “de acordo com informações do Ministério da Defesa russo, todos os materiais divulgados pelo regime de Kiev sobre os crimes dos militares russos nesta localidade não correspondem à realidade e são de natureza provocativa”.

Segundo a mesma fonte, Bastrykin ordenou que fossem tomadas “medidas exaustivas” para identificar todos os envolvidos e determinar se devem ser processados por divulgar “informações falsas” sobre o exército russo, crime introduzido no código penal russo após a invasão da Ucrânia e passível de 15 anos de prisão.

Imagens nas televisões e jornais de dezenas de corpos em valas comuns ou espalhados pelas ruas dos arredores da capital ucraniana, no fim de semana, na sequência da retirada russa, estão a chocar os países ocidentais.

O número total de mortos ainda é incerto, mas, segundo a Procuradora-Geral da Ucrânia, Iryna Venediktova, os corpos de 410 civis foram encontrados nos territórios da região de Kiev recentemente recapturados às tropas russas.

Sem comentários

deixar um comentário