07 Julho 2022, 02:32

Ucrânia: Rússia retoma ataques aéreos sobre a fábrica Azovstal em Mariupol

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

As tropas russas retomaram os ataques aéreos em torno da fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, no sul da Ucrânia, que concentra a resistência da cidade, anunciou hoje Oleksiy Arestovych, conselheiro do chefe de gabinete do Presidente ucraniano.

“O inimigo está definitivamente a tentar abafar a resistência dos defensores de Mariupol na zona de Azovstal. Eles retomaram os ataques aéreos no território da fábrica, na zona de defesa das nossas tropas, e estão a tentar levar a cabo ações de assalto”, afirmou, em declarações durante um briefing citadas pela agência Ukrinform.

Oleksiy Arestovych realçou, porém, que as defesas da cidade estão a tentar resistir, apesar da situação difícil, e que as tropas ucranianas estão mesmo a levar a cabo contra-ataques. Segundo a agência Ukrinform, cerca de 1.000 civis e militares ucranianos estão no complexo industrial de Mariupol, dos quais cerca de 500 estarão feridos.

Paralelamente, as autoridades ucranianas estão a exigir que os russos estabeleçam um corredor humanitário urgente a partir de Azovstal, num momento em que permanecem sitiados na cidade aproximadamente 120 mil civis.

Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol, disse que os ocupantes estão a “limpar” os escombros do teatro da cidade, que foi bombardeado por tropas russas, retirando os cadáveres.

Os corpos estarão a ser embrulhados em sacos de plástico e levados em camiões e tratores para uma zona industrial e de lá para a cidade de Mangush, onde são despejados numa trincheira de 300 metros, afirmou este responsável numa mensagem publicada na rede social Telegram, citada pela agência noticiosa Unian.

Andryushchenko denunciou também que as forças russas deportaram 308 residentes, incluindo 90 crianças, de Mariupol para Vladivostok, no leste da Rússia.

Sem comentários

deixar um comentário