04 Julho 2022, 07:10

Ucrânia: UA apela ao fim de discriminação “chocantemente racista” nas fronteiras

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Adis Abeba, 28 fev 2022 (Lusa) — A União Africana classificou hoje como “chocantemente racista” que cidadãos africanos sejam impedidos de fugir do conflito na Ucrânia, apelando a todos os países que respeitem a lei internacional e apoiem quem foge da guerra, independentemente da sua raça.


“Relatos de que africanos estão a ser escolhidos para tratamento desigual inaceitável seria chocantemente racista e em violação da lei internacional”, dizem, em comunicado, o Presidente do Senegal e presidente em exercício da União Africana (UA), Macky Sall, e o presidente da Comissão da UA, Moussa Faki Mahamat.


Os dois dirigentes apelam por isso “a todos os países que respeitem a lei internacional e mostrem a mesma empatia e apoio a todas as pessoas que fogem da guerra, independentemente da sua identidade racial”.


Sall e Faki dizem estar a seguir de perto os acontecimentos na Ucrânia, mostrando-se “particularmente perturbados” por relatos de que cidadãos africanos estão a ser impedidos de atravessar a fronteira da Ucrânia em busca de segurança.


Os dois líderes sublinham que “todas as pessoas têm o direito de atravessar fronteiras internacionais durante conflitos” e, por isso, devem poder fugir da guerra na Ucrânia, independentemente da sua “nacionalidade ou identidade racial”.


Aplaudem os esforços dos Estados-membros da UA e das suas embaixadas nos países vizinhos para receber e orientar os cidadãos africanos e as suas famílias ao tentarem atravessar a fronteira ucraniana em busca de segurança.


A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.


À semelhança de centenas de milhares de pessoas, muitos africanos – na sua maioria estudantes – estão a tentar fugir da Ucrânia para os países vizinhos, incluindo a Polónia, mas a enfrentar um tratamento discriminatório nas estradas e nas fronteiras ucranianas, de acordo com várias organizações não-governamentais.


O número crescente de acusações de comportamento racista por parte das autoridades ucranianas, sobretudo, mas também polacas, levou o Governo nigeriano a instar hoje as autoridades aduaneiras da Ucrânia e dos países vizinhos a tratarem os seus cidadãos “com dignidade”.



FPA // LFS


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário