13 Maio 2022, 17:20

Ucrânia: UE prossegue negociações de novo pacote de sanções à Rússia no fim de semana

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 06 mai 2022 (Lusa) — A União Europeia (UE) vai continuar a negociar no fim de semana o sexto pacote de sanções contra a Rússia devido à guerra na Ucrânia, que abrange, entre outras coisas, o veto ao petróleo russo.


A reunião realizada hoje pelos embaixadores dos 27 Estados-membros da UE não serviu para resolver os problemas colocados por países como a Hungria, a Eslováquia ou a República Checa, explicaram à agência EFE várias fontes diplomáticas.


Estes três parceiros europeus, muito dependentes das importações de petróleo bruto da Rússia, pedem que o período de transição para se livrarem daquele combustível seja mais longo, apesar de Bruxelas ter levantado uma exceção para Budapeste e Bratislava, que lhes daria mais um ano do que o resto para o obter, até 31 de dezembro de 2023.


Embora não tenha sido incluída originalmente no acordo, Praga também pediu publicamente um adiamento de dois ou até três anos para se desvincular do petróleo russo, afirmou o primeiro-ministro checo, Petr Fiala.


O seu homólogo húngaro, Viktor Orbán, optou hoje por criticar a proposta de Bruxelas como uma “bomba atómica” para a Hungria e, depois de alegar que um período de um ano e meio não seria suficiente, defendeu a entrega de quatro ou cinco anos e “com um investimento de muito dinheiro”.


Entretanto, o alto representante dos Negócios Estrangeiros da UE, Josep Borrell, disse à EFE que é necessário “ter em consideração” e “procurar uma solução” para resolver o “problema” da Hungria, já que “não se trata de ter costa e que os petroleiros podem chegar até si sem ter uma costa e que o petróleo não pode chegar de qualquer lugar que não seja a Rússia”.


Em todo o caso, o responsável pela diplomacia europeia assegurou que, se não for possível chegar a um acordo entre os 27 Estados-membros da UE ao nível dos embaixadores, vai ser necessário levar a questão para uma reunião de ministros europeus.


Ao mesmo tempo, fontes diplomáticas insistem que o objetivo é chegar a um acordo “até o final da semana”, indicando que as diferenças entre os Estados-membros “não são políticas”, mas técnicas.


O objetivo de França na presidência rotativa da UE é continuar com o trabalho técnico com a Comissão Europeia e os Estados-membros e convocar os embaixadores dos 27 quando houver progresso.


A proposta do Executivo comunitário, apresentada na quarta-feira, visa proibir as importações de petróleo russo para a UE seis meses após a entrada em vigor das sanções, enquanto o caso do petróleo refinado o prazo é alargado para oito meses.


As sanções também vetariam todos os possíveis serviços de assistência técnica, direta ou indireta e todo o serviço de intermediação, incluindo a financeira e os seguros, que estejam relacionados com a proibição ao petróleo russo.


Além disso, para evitar que os petroleiros russos possam se esquivar das sanções, o texto pede a proibição do transporte de petróleo russo em todas as suas formas, incluindo transferências de carga “navio a navio” de embarcações russas para outras de outros países.


Na frente financeira, Bruxelas propõe adicionar o Sberbank, o maior banco russo, à lista de instituições bancárias russas excluídas do sistema de transações internacionais Swift, assim como o Banco Agrícola da Rússia, 100% do Estado, e o Banco de Crédito de Moscovo.


Bruxelas também propôs sancionar pessoas, como o coronel russo conhecido como “talhante de Bucha” ou o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, e 20 empresas ligadas ao Ministério da Defesa ou ao Exército russo, além de três meios de comunicação social.



JML//RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário