14 Maio 2022, 03:16

Ucrânia: Zelensky quer retirar todas as pessoas em Mariupol, apesar de ataques russos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O presidente da Ucrânia garantiu que, apesar dos contínuos ataques russos contra Mariupol, as autoridades de Kiev trabalham “todos os dias” para retirar todas as pessoas ainda na cidade, incluindo no complexo siderúrgico de Azovstal.

Numa declaração divulgada na internet, ontem à noite, Volodymyr Zelensky afirmou que 156 civis foram retirados e já chegaram a Zaporijia, cidade sob controlo da Ucrânia, a 230 quilómetros a noroeste de Mariupol.

Zelensky agradeceu o esforço de todos os que participaram na operação e garantiu que continua a ser feito “tudo o que é possível para retirar civis de Mariupol e Azovstal”.

“É difícil. Mas precisamos de todos os que ali estão: civis e militares”, sublinhou o chefe de Estado.

Uma nova operação de retirada está prevista para hoje, “se a situação de segurança o permitir”, disse na terça-feira a vice-primeira-ministra ucraniana Iryna Verechtchuk.

Na terça-feira, as forças russas lançaram pela primeira vez um ataque com tanques e infantaria contra o complexo siderúrgico de Azovstal, último foco de resistência ucraniana em Mariupol, enquanto a UE prepara um embargo contra o petróleo russo.

Também a ONU anunciou, na terça-feira, que tinha conseguido retirar mais de uma centena de civis de Azovstal, onde permanecem ainda dezenas de pessoas presas nas galerias subterrâneas do enorme complexo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, já pediu “mais intervalos humanitários”, à semelhança do modelo adotado na retirada de civis de Azovstal, mas sem especificar localizações.

A UE prepara-se para lançar hoje uma revisão das novas sanções contra Moscovo, incluindo um embargo ao petróleo e aos produtos petrolíferos comprados à Rússia. Uma medida que levanta reservas entre alguns países da UE, que dependem fortemente do fornecimento russo, disseram à AFP vários funcionários e diplomatas europeus.

A Comissão Europeia propõe uma paragem gradual nas compras, durante um período de seis a oito meses, até ao final de 2022, com isenção para a Hungria e a Eslováquia, países sem litoral e dependentes das entregas russas através do oleoduto de Druzhba.

Sem comentários

deixar um comentário