24 Maio 2022, 03:07

UE apela a maior isolamento da Rússia e reforça ajuda militar a Kiev em 500 ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, apelou hoje, na Alemanha, ao aumento da pressão sobre a Rússia e do isolamento internacional deste país, anunciando mais 500 milhões de euros de ajuda militar à Ucrânia.

Em declarações à entrada da reunião do grupo do G7 (as sete maiores economias mundiais), Borrell afirmou esperar que do encontro saia “mais pressão sobre a Rússia, com sanções económicas, uma continuação do trabalho de isolamento internacional da Rússia, contrariando a desinformação sobre as consequências da guerra — sobre os preços da energia e dos alimentos em todo o mundo — e a apresentação de uma frente unida para continuar a apoiar a Ucrânia”.

Do lado da União Europeia (UE), Borrel salientou que chega a esta reunião do G7, ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros, com o anúncio de “uma nova quantia de 500 milhões de euros para ajuda militar”, de um total “de cerca de dois milhões” já disponibilizados pelo bloco comunitário à Ucrânia.

O Alto Representante da UE para a Política Externa afirmou ainda que estes 500 milhões de euros “serão atribuídos para armas pesadas”.

“Atualmente, estamos a fornecer veículos blindados, tanques, artilharia pesada e munições”, acrescentou, sublinhando esperar que o G7 concorde também em aumentar o apoio militar à Ucrânia.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 iniciaram, na quinta-feira, uma reunião de três dias em Schloss Weissenhaus, na costa do Mar Báltico, na Alemanha, país que ocupa atualmente a presidência anual rotativa do grupo.

Além da Alemanha, o G7 integra Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, com a UE a participar também nas reuniões do grupo.

Sem comentários

deixar um comentário