06 Fevereiro 2023, 14:08

UE condena “incesantes” ataques russos contra população civil

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Alto Representante da União Europeia (UE) para a política Externa, Josep Borrell, condenou hoje os “incessantes” ataques russos contra a população civil ucraniana após o bombardeamento de um edifício residencial em Zaporíjia, que provocou pelo menos 17 mortos.

“A UE condena os ataques incessantes da Rússia contra a população civil em toda a Ucrânia, com dezenas de vítimas todas as semanas”, disse Borrell na rede social Twitter.

O chefe da diplomacia da UE destacou que o ataque russo ao prédio em Zaporíjia matou pelo menos 17 civis e feriu 40.

“Todos os responsáveis ??serão responsabilizados”, acrescentou Borrell.

A Rússia voltou a atacar Zaporíjia 24 horas após a explosão que danificou a ponte da Crimeia e no mesmo dia em que Vladimir Putin acusou os serviços secretos ucranianos de estarem por trás do que classificou como um “ato terrorista”, que representa um novo revés para a frágil logística de guerra de Moscovo.

As Forças Armadas russas lançaram doze mísseis sobre Zaporíjia, em um novo ataque à infraestrutura civil.

Sem comentários

deixar um comentário