02 Agosto 2022, 04:50

UE/Presidência: Costa diz que cimeira com Índia é a “joia da coroa” e destaca ligação cabo ao Brasil

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 nov 2020 (Lusa) – O primeiro-ministro afirmou hoje que a presidência portuguesa da União Europeia pretende seguir a linha histórica de Portugal como plataforma à escala global, destacando a cimeira com a Índia e a concretização da ligação por cabo Sines/Brasil.


“Portugal destacou-se sempre na Europa como uma plataforma de ligação à escala global”, defendeu António Costa numa conferência na Universidade Católica, em Lisboa, sobre o plano da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia no primeiro semestre no próximo ano.


Após uma introdução feita pelo antigo presidente da Comissão Europeia e primeiro-ministro entre 2002 e 2004, José Manuel Durão Barroso, o atual líder do executivo português fez um discurso inicial com cerca de 40 minutos em que começou por advertir que a realização de reuniões presenciais nos primeiros seis meses de 2021 está dependente da evolução do combate à pandemia de covid-19 em Portugal, na Europa e no mundo.


Desta forma, caso as condições sanitárias assim permitam, “em matéria de política externa, a joia da coroa da presidência portuguesa será a realização da cimeira de todos os líderes europeus com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, em 08 de maio, no Porto”.


“Este será o primeiro encontro de todos os líderes europeus com o primeiro-ministro indiano. É um encontro que considero da maior importância para que a Europa enfatize a importância do relacionamento com toda a região do Indo-Pacífico, tendo em vista a sua diversificação entre as diferentes potências que ali existem, casos da China, Japão, Nova Zelândia e Austrália e Índia”.


“A Índia é a maior democracia à escala global e nós temos de valorizar, tendo um relacionamento cada vez mais estreito, designadamente pelo contributo que poderemos dar em conjunto para componentes fundamentais dos processos de transição climática e digital. Falo aqui do desenvolvimento da inteligência artificial ou da ciência de dados. Europa e Índia podem desenvolver uma aliança estreita para o futuro”, considerou.


Além desta cimeira, António Costa referiu que “haverá em junho um momento simbólico muito importante, que será a amarração em Sines de um grande cabo submarino – o EllaLink -, ligando o continente europeu ao americano [Fortaleza, Brasil], com a presença da presidente da Comissão Europeia”, Ursula von der Leyen.


“Marcará simbolicamente aquilo que tem sido sempre a função tradicional de Portugal como plataforma de ligação aos outros continentes”, reforçou.


Neste ponto da sua intervenção, o primeiro-ministro considerou que Portugal, no plano político global, deve contribuir para contrariar uma visão bipolar do mundo, valorizando em contraponto a multipolaridade, “onde as relações com a América Latina são elementos fundamentais”.


Durante os seis meses de presidência portuguesa, poderá ainda haver a conclusão dos acordos comerciais com a Austrália e Nova Zelândia e, por outro lado, a abertura do primeiro acordo comercial com Marrocos.


“Este é o caminho de uma Europa que quer ter maior autonomia estratégica, mas que não acredita no protecionismo, batendo-se antes pela regulação do comércio livre à escala global”, declarou.


Além da assinatura do acordo de parceria com África, Caraíbas e Pacífico, igualmente previsto para o primeiro semestre de 2021, António Costa falou ainda de “um momento incerto”.


“Se até lá não for possível [por causa da covid-19], iremos realizar um encontro pessoal entre os líderes da União Africana e da União Europeia. Espero que se possa concretizar no próximo semestre, porque temos uma relação de vizinhança geográfica, proximidade cultural e de relacionamento histórico (por vezes traumático) entre Europa e África”, apontou.


Para António Costa, o eixo “euro-africano é fundamental para o mundo do futuro se não quisermos de que esse mundo seja exclusivamente bipolar”.


“Temos uma oportunidade de reforçar as relações agora que a União Africana assinou um acordo de comércio livre que gera novas oportunidades de relacionamento”, acrescentou.



PMF // JPS


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário