14 Maio 2022, 09:56

UE reitera “apoio contínuo” a Kiev e prepara mais sanções contra a Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 01 mai 2022 (Lusa) – O Alto Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros expressou hoje o “apoio contínuo” à Ucrânia por parte da UE, que trabalha no sexto pacote de sanções contra a Rússia, e insistiu na “urgente” evacuação de Mariupol.


Josep Borrell transmitiu hoje esse “apoio contínuo” dos 27 à Ucrânia num telefonema com o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba.


“O Conselho da Associação UE-Ucrânia será um momento-chave para avançar ainda mais a nossa parceria”, disse Borrell na rede social Twitter, referindo-se à principal ferramenta de colaboração entre as duas partes, que entrou em vigor em 01 de setembro de 2017.


A sétima reunião deste conselho teve lugar em Bruxelas em 21 de fevereiro de 2021 e a 12 de outubro do mesmo ano realizou-se em Kiev a última cimeira UE-Ucrânia.


Borrell, que visitou Kiev em 08 de abril, recordou, por outro lado, que a UE “está a trabalhar no próximo pacote de sanções” contra a Rússia.


A UE prepara o sexto pacote de sanções contra a Rússia desde o início da invasão da Ucrânia, em que se espera que seja incluída a proibição das importações de petróleo russo.


A Alemanha já assegurou que apoia “de forma ativa” a imposição de tal embargo pela UE.


O telefonema entre Borrell e Kuleba acontece na véspera de os ministros da Energia da UE terem em Bruxelas um conselho extraordinário, convocado logo após a empresa russa de gás Gazprom ter cortado o fornecimento à Polónia e Bulgária por se terem negado a pagar em rublos.


Esta conversa coincide também com a operação para retirar um primeiro grupo de cerca de 100 civis da siderúrgica Azovstal na cidade portuária ucraniana de Mariupol, iniciada na sexta-feira.


“A situação em Mariupol é terrível, as retiradas humanitárias são urgentes”, insistiu hoje o chefe da diplomacia europeia.


A UE intensificou o seu compromisso com a Ucrânia, proporcionado apoio político, financeiro e económico desde que a Rússia iniciou a invasão ao país em 24 de fevereiro.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou cerca de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.


A ofensiva militar causou a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,4 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.



ALU // TDI


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário