02 Julho 2022, 11:57

UGT/Congresso: Ministra do Trabalho pede movimento sindical forte e inovador

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Santarém, 23 abr 2022 (Lusa) — A ministra do Trabalho deixou hoje, em Santarém, um “caderno de encargos” ao futuro secretário-geral da UGT, pedindo que traga “novas dimensões” para a negociação coletiva, a qual afirmou precisar de um movimento sindical forte e inovador.


Ana Mendes Godinho falava na abertura do XIV Congresso da União Geral dos Trabalhadores (UGT), que decorre hoje e domingo em Santarém e no qual será eleito o novo secretário-geral da confederação sindical.


Dirigindo-se a Mário Mourão, que será eleito domingo para substituir Carlos Silva, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social defendeu a concertação e a negociação coletiva como “pedra basilar” do crescimento inclusivo, pedindo ao futuro secretário-geral da UGT para trazer “novas dimensões” que são hoje decisivas no mercado de trabalho.


Em particular, referiu as novas formas e novas relações de trabalho, desafios que, disse, “necessitam de um movimento sindical forte, dinâmico, em permanente reinvenção, e que seja também fator de inovação e de coesão social”.


Ana Mendes Godinho disse convocar todos para se alcançar um acordo de médio prazo, em sede de concertação social, que garanta “uma melhor redistribuição da riqueza, a valorização dos salários e o aumento da produtividade”, salientando que se vivem tempos em que é preciso “fazer mais”.


“Queremos que o diálogo social seja mesmo a base e a chave para este crescimento, que só acontece se for inclusivo”, declarou, referindo os desafios e as soluções encontradas durante o período crítico da pandemia da covid-19, graças ao “diálogo constante, transparente e produtivo”.


“Este é o tempo da nossa reinvenção coletiva”, disse.


Na sua intervenção, Ana Mendes Godinho afirmou não ser este o tempo do ‘business as usual’ e assegurou que “a austeridade não foi, não é, não pode ser, nunca será a solução para os problemas”.


“Os tempos de crise não podem ser pretexto para o ensaio de modelos ideológicos que se baseiam no corretivo ou no castigo aos trabalhadores, no travão ao bem-estar das famílias, no salve-se quem puder ou no quem tiver jeito ou alguns privilégios ou alguns conhecimentos que lhe dão tratamento especial”, disse.


 


MLL/RRA // PJA


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário