05 Julho 2022, 13:31

“Um retorno mágico” das Marchas de Gaia

Academia das Artes de Arcozelo, cujos bastidores o Mundo Atual visitou nas vésperas das Marchas
Filipa Júlio Administrator

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

As Marchas de São João voltaram a animar a Beira-Rio de Vila Nova de Gaia, após dois anos de interregno, naquela que foi a 25.ª edição do evento que lança a principal celebração do concelho.

“Foi um retorno mágico”, disse Eduardo Vítor Rodrigues, ao Mundo Atual, no final da 25.ª edição das Marchas de São João. Não obstante reforçar os pedidos de cautela “e muita responsabilidade individual”, face à pandemia, o autarca concordou que já fazia falta devolver ânimo à população:
“Já precisávamos, é verdade, desta alegria e até o São Pedro ajudou [apesar dos boatos de que estaria zangado com o São João]”.

Cerca de mil pessoas encheram as bancadas colocadas na praça Aljubarrota, para assistir ao desfile das sete freguesias representadas, que ao longo de várias semanas prepararam a tão aguardada exibição.
Levaram sorrisos, cor, animação, música e criatividade e receberam de volta aplausos, satisfação, admiração e rostos sorridentes.
Os mareantes do Douro fizeram as honras de abertura do desfile que contou ainda com a participação da Marcha Infantil de Canidelo.
A noite deu, assim, palco a algumas das melhores qualidades de Vila Nova de Gaia: uma terra rica em associações e coletividades, mais ou menos jovens, que perpetuam ou renovam as melhores tradições culturais.

Nem todas as freguesias conseguiram marcar presença, muito por força das limitações pandémicas, mas, segundo Eduardo Vítor Rodrigues, o objetivo é que, com a ajuda da Câmara Municipal, possam voltar em força na próxima edição: “A pandemia teve efeito na vida das coletividades e algumas que tradicionalmente estavam presentes, ainda estão a recuperar a sua dinâmica cultural. O nosso papel é ajudá-las, para que no próximo ano possam voltar, pois sabemos que não é possível retomar de um dia para o outro”.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Avintes, representado pela ACMA, Mafamude/Vilar do Paraíso, pela ACR ‘Os Amigos Vilarenses’, Madalena, pelo Orfeão, pelo Grupo Folclórico e pela Associação de Solidariedade Social, a Sandim, Lever, Olival e Crestuma, pelo Grupo Folclórico Etnográfico de Santa Marinha de Crestuma, Arcozelo, pela Academia de Artes, Canidelo, pela ARC ‘Clube do Amor’ e Cavaquinhos do Amor, e Santa Marinha/Afurada, pela Tuna Musical de Sta. Marinha.

A foto principal deste artigo apresenta a marcha criada pela Academia das Artes de Arcozelo, cujos bastidores o Mundo Atual visitou em vésperas do regresso das Marchas de Vila Nova de Gaia. Leia aqui.

As celebrações de São João prosseguem, em Vila Nova de Gaia, no próximo dia 23, com o tradicional fogo-de-artifício, que este ano será concentrado no rio, devido às obras na ponte Luiz I, enquanto o concerto de Rosinha fará já a transição para as festas de São Pedro.

“Esperamos que as pessoas se dispersem (pois o espaço é grande) e que tenhamos todos responsabilidade”, pediu Eduardo Vítor Rodrigues.

Sem comentários

deixar um comentário