14 Maio 2022, 22:46

União Europeia coloca na agenda de trabalho na Guiné-Bissau prevenção de extremismo violento

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bissau, 28 abr 2022 (Lusa) — A União Europeia (UE) colocou na agenda de trabalhos na Guiné-Bissau a prevenção do extremismo violento com o lançamento do projeto “No Sumia Paz”, que visa promover a paz, cidadania e direitos humanos no país.


“Na realidade este projeto hoje apresentado é fruto de uma iniciativa ousada da União Europeia em trazer o tema da prevenção do extremismo violento para a agenda de trabalhos na Guiné-Bissau”, afirmou a chefe da cooperação da UE, Simona Schdele, no lançamento do projeto.


O projeto “No Sumia Paz” (Nós Semeamos Paz) é financeiramente apoiado pela União Europeia e implementado pelas organizações não-governamentais Aida (espanhola), Associação dos Amigos da Criança da Guiné-Bissau (guineense) e a italiana Acra.


No discurso proferido na cerimónia, na Casa dos Direitos em Bissau, Simona Schdele recordou um estudo realizado pela União Europeia a nível regional, incluindo a Guiné-Bissau, sobre os riscos e fatores da radicalização e extremismo violento.


“O estudo veio mostrar em primeiro lugar que as carências no sistema educativo são vistas como um fator de vulnerabilidade suscetível de favorecer o surgimento de processos de radicalização, que podem conduzir ao extremismo violento”, disse, salientando que foi recomendada a implementação de um programa de prevenção direcionado aos jovens.


“Este projeto constitui uma tentativa de fortalecer o acesso à educação em regiões consideradas prioritárias e promover os direitos humanos”, referiu.


O projeto, que vai decorrer durante cinco anos nas regiões de Oio, visa apoiar as organizações da sociedade civil na promoção do diálogo e na prevenção do radicalismo do extremismo violento.


“Tentaremos em conjunto apostar numa abordagem ajustada às necessidades das populações ao mesmo tempo que tentamos trazer perspetivas novas à educação através, por exemplo, da formação multilingue e educação para a cidadania e a paz”, explicou a chefe da cooperação da União Europeia.



MSE // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário