24 Outubro 2021, 17:19

Venezuela: Governo e oposição retomam negociações incluindo Alex Saab como membro pleno

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Caracas, 24 set 2021 (Lusa) — Representantes do Governo presidido por Nicolás Maduro e da oposição venezuelana, aliada do ex-presidente do parlamento Juan Guaidó, estão de novo no México para terem, a partir de hoje, uma terceira ronda de negociações.


Esta nova ronda começa mesmo depois de Caracas ter anunciado que o empresário Alex Saab, que está detido em Cabo Verde a aguardar extradição para os EUA, será integrado como “membro pleno” da delegação que representa o Governo de Nicolás Maduro.


Entre hoje e até 27 de setembro ambas as delegações vão “negociar” sobre o uso de ativos venezuelanos no estrangeiro para programas sociais e modificações ao sistema de justiça da Venezuela, como parte de um diálogo que procura solucionar a crise no país, tendo a Noruega como facilitadora e acompanhado pelos Governos de Rússia e dos Países Baixos.


Segundo o Presidente Nicolás Maduro, a representação governamental terá ainda como ponto central o levantamento das sanções internacionais contra Caracas, o respeito pelo estado constitucional e fazer com que a oposição se mantenha no caminho eleitoral, distanciando-se de recorrer a tentativas de golpe de Estado.


Por outro lado, Gerardo Blyde, chefe da delegação da oposição, insiste que é preciso negociar a reinstitucionalização do país através de um sistema de justiça que seja independente e soberano, que acabe com a impunidade e impeça alegados abusos de poder.


Entre 13 e 16 de agosto, o Governo venezuelano e a oposição realizaram a primeira ronda de negociações no México, que concluiu com a assinatura de um acordo de entendimento manifestando a intenção de chegar a um acordo sobre “as condições necessárias” para a realização de eleições segundo a Constituição, entendendo que é uma necessidade levantar as sanções internacionais”.


Na segunda ronda de negociações, que decorreu entre 3 e 6 de setembro, as duas delegações assinaram dois acordos, sobre a defesa da soberania e a libertação de recursos para enfrentar a crise e a pandemia.


Num comunicado conjunto, explicaram que os acordos parciais tinham como propósito “a ratificação e defesa da soberania da Venezuela sobre a Guiana Esequiba (zona territorial em disputa com a Guiana)” e a “proteção social do povo venezuelano”.


Em 14 de setembro, Jorge Rodríguez, em representação do Presidente Nicolás Maduro, anunciou a inclusão do empresário Alex Saab, que está detido em Cabo Verde a aguardar extradição para os EUA, como “membro pleno” da delegação que representa o Governo nas negociações.


“Informamos à opinião pública da decisão de incorporar o diplomata venezuelano Alex Saab como membro de pleno direito da Delegação do Governo Bolivariano”, disse o presidente da Assembleia Nacional em declarações feitas através da televisão estatal venezuelana.


Jorge Rodríguez explicou ainda que Alex Saab “estava a cumprir funções para obter medicamentos e alimentos para o povo da Venezuela, no meio do bloqueio mais feroz que a história do país conheceu nos últimos 150 anos”.


Considerado testa-de-ferro de Nicolás Maduro, Alex Saab, 49 anos, colombiano, foi detido pela Interpol e pelas autoridades cabo-verdianas em 12 de junho de 2020, durante uma escala técnica no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, ilha do Sal.


A detenção ocorreu com base num mandado de captura internacional emitido pelos EUA, quando Sabb viajavam para o Irão em representação da Venezuela, na qualidade de “enviado especial” e com passaporte diplomático.


A sua detenção colocou Cabo Verde no centro de uma disputa entre o regime do Presidente Nicolás Maduro, na Venezuela, que alega as suas funções diplomáticas aquando da detenção, e a Presidência norte-americana, bem como irregularidades no mandado de captura internacional e no processo de detenção.


Washington pede a sua extradição, acusando-o de branquear 350 milhões de dólares (295 milhões de euros) para pagar atos de corrupção do Presidente venezuelano, através do sistema financeiro norte-americano.



FPG (PVJ) // ANP


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário