08 Outubro 2022, 12:15

Verão de 2022 foi o mais quente já registado na Europa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O verão de 2022, marcado por várias ondas de calor e uma seca severa ligada ao aquecimento global, foi o mais quente já registado na Europa, divulgou hoje o serviço sobre mudanças climáticas do programa europeu Copernicus.

As temperaturas médias foram “as mais altas, tanto para o mês de agosto como para todo o verão”, superando nos três meses em 0,4°C as temperaturas de 2021, que já eram o recorde anterior, declarou o serviço sobre as mudanças climáticas do Programa de Observação da Terra da União Europeia (UE) Copernicus num comunicado de imprensa.

O instituto europeu acrescentou que as temperaturas estiveram “cerca de 1,34°C acima da média de 1991-2020 para a estação [verão]”.

Somente para o mês de agosto, as temperaturas foram “de longe as mais altas” registadas, “com 1,72°C acima da média de 1991-2020”.

“Uma série intensa de ondas de calor em toda a Europa, juntamente com condições de seca incomuns, levou a um verão de extremos, com temperaturas recordes, secas e incêndios”, disse Freja Vamborg, responsável científica do instituto europeu.

“Secas e incêndios em muitas partes da Europa afetaram a sociedade e a natureza de várias maneiras”, observou, lembrando que “o recorde anterior tinha apenas um ano”.

Sem comentários

deixar um comentário