09 Setembro 2022, 05:26

Vice-presidente paraguaio vai demitir-se após ser acusado de corrupção pelos EUA

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O vice-presidente do Paraguai, Hugo Velázquez, anunciou hoje que vai demitir-se do cargo na próxima semana e retirar-se da corrida à Presidência da República do país, após ter sido acusado de corrupção pelos Estados Unidos.

O anúncio da demissão, que, precisou, formalizará na segunda ou na terça-feira da próxima semana, surgiu depois de o Departamento de Estado norte-americano o ter acusado de participar em “atos de corrupção significativos” e o ter proibido de entrar em território dos Estados Unidos.

“Eu, Hugo Velázquez, vou tomar a decisão que considero mais conveniente para o país”, declarou o vice-presidente à rádio ABC Cardinal, antes de se afastar oficialmente do cargo nos próximos dias.

Declarou-se também a favor de que a sua mulher, Lourdes Samaniego González, atualmente procuradora-geral adjunta no ministério público paraguaio e que Washington também proibiu de pisar solo norte-americano, abandone o respetivo cargo.

Velázquez e o assessor jurídico da entidade binacional Yacyretá (EBY), Juan Carlos Duarte, foram incluídos pelos Estados Unidos na sua lista de pessoas corruptas, indicou hoje o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

Numa conferência de imprensa em Assunção, o embaixador dos Estados Unidos no Paraguai, Marc Ostfield, disse que Duarte, a pedido de Velázquez, “ofereceu um suborno de mais de um milhão de dólares” a um funcionário público, com a suposta intenção de “obstruir uma investigação que ameaçava o vice-presidente e os seus interesses financeiros”.

No entanto, Juan Carlos Duarte afirmou não ter “a menor ideia” sobre tal acusação e negou estar a ser investigado.

Classificou também como “uma grande mentira” a acusação de ter oferecido um suborno.

“Isso nunca aconteceu. Eu nunca mandei oferecer absolutamente nada”, insistiu.

Velázquez, que foi deputado e agente fiscal, disse que sempre se considerou “aliado dos norte-americanos” e recordou, inclusive, que trabalhou com diversas agências daquele país.

“Vou procurar uma forma de ter acesso [à informação], se puder, para poder defender-me. Vou abandonar o cargo e, como cidadão comum, vou tentar defender-me desta acusação”, frisou.

O vice-presidente paraguaio agora demissionário tinha candidatado a 22 de janeiro a fação política Força Republicana às eleições internas do Partido Colorado, convocadas para 18 de dezembro próximo.

A inclusão de Velázquez na lista de corruptos dos EUA ocorre depois de Washington nela ter incluído a 22 de julho último o ex-presidente paraguaio Horácio Cartes (2008-2012).

Sem comentários

deixar um comentário