06 Julho 2022, 07:21

Vinhos portugueses vão em busca de “massa crítica” nos Estados Unidos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Los Angeles, Estados Unidos, 08 abr 2022 (Lusa) – A ViniPortugal, que termina hoje uma ‘tour’ de promoção de vinhos portugueses nos Estados Unidos, vai reforçar o investimento no mercado norte-americano, onde antecipa que as vendas cresçam a dois dígitos em 2022.


“Este ano temos como objetivo incrementar as nossas ações de promoção aqui, até porque não vamos poder fazer promoção em dois mercados que estavam a crescer para nós, a Ucrânia e a Rússia”, disse à Lusa o presidente Frederico Falcão. 


“Vamos desviar muito desse orçamento para aqui, porque é um mercado com muito potencial”, explicou.


As exportações de vinhos portugueses para os Estados Unidos atingiram os 104 milhões de euros no ano passado, refletindo um crescimento de 13% que ficou acima do crescimento global (8,19%). 


“O objetivo é claramente crescer acima do que crescemos no ano passado”, afirmou Frederico Falcão. 


A ‘tour’ da ViniPortugal, feita através da marca Wines of Portugal, começou em Boston, passou por Chicago e terminou em Los Angeles, com conversas, provas de mais de 200 vinhos portugueses e a presença de dezenas de produtores. 


Em Los Angeles, a sommelier Taylor Grant, que fundou a empresa de consultoria de vinhos Salutay, frisou a relação qualidade-preço dos vinhos portugueses.


“Descobri que os vinhos não só são bons como têm um excelente valor”, disse Grant. “São vinhos que vão bem com a comida e que conseguem fazer uma ponte entre o que as pessoas estão habituadas a beber e o que aceitam experimentar”. 


A sommelier considerou que há alguns vinhos portugueses “que se destacam” e defendeu que a aposta deve ser afunilar o foco para promover quatro ou cinco vinhos, de modo a aumentar o reconhecimento por parte dos clientes. 


Sendo os Estados Unidos o segundo maior mercado de exportação para os vinhos portugueses (e o maior excluindo vinho do Porto), a ViniPortugal planeia regressar para mais provas. Frederico Falcão disse que estão a ser desenhadas novas investidas em Nova Iorque, Texas e Florida, a partir de outubro. 


“Queremos massa crítica na América”, disse Eugénio Jardim, embaixador da Wines of Portugal nos EUA, durante o evento em Los Angeles. “Desculpem, somos gananciosos”, gracejou. 


Mas o intuito não é massificar a presença de vinhos portugueses nos supermercados, onde há uma pressão para preços baixos e elevados volumes. A ideia é chegar mais às lojas de vinhos e restaurantes, onde a qualidade é valorizada. 


“Nós estamos claramente interessados em aumentar a nossa exportação em preço, em valorização do vinho, e não tanto em aumentar volumes”, notou Frederico Falcão. 


“A nossa estratégia é atingir garrafeiras, bons restaurantes, ter uma boa presença nos mercados mas sem ser em supermercados”, continuou.


Os compradores e distribuidores nos três eventos “dizem que os vinhos portugueses ao preço de 50 dólares [46 euros] põem num canto os vinhos europeus e de novo mundo do mesmo preço”, disse Frederico Falcão. “Muitos já começam a olhar para Portugal não como preço baixo mas como uma boa relação qualidade-preço em todos os patamares de preço.”


O facto de não serem tão reconhecidos quanto os vinhos franceses ou italianos também intriga os compradores que procuram coisas novas. 


“Temos uma secção de vinhos portugueses e as pessoas ficam curiosas porque é um país do velho mundo mas não o conhecem bem”, explicou o sommelier Eduardo Bolaños, comprador de vinhos ibéricos e latino-americanos para a The Wine House, no evento em Los Angeles. 


“Por causa da pandemia, as pessoas desfrutaram mais de vinho e começaram a querer explorar melhores opções”, disse Bolaños, notando que a categoria dos vinhos verdes está a atrair muito interesse. 


Os anos de pandemia foram de enorme crescimento para os vinhos portugueses a todos os níveis, disse Frederico Falcão. A perceção de melhor relação qualidade-preço foi um dos principais fatores nessa expansão.


Com um investimento de 8,3 milhões de euros por ano, o trabalho que a ViniPortugal tem feito “começa a dar frutos”, considerou o presidente.


“Há quinze anos, se perguntasse a um regular americano, todos conheciam vinho do Porto mas não sabiam que era um vinho de Portugal”, disse Falcão. “Essa perceção está a mudar”. 


ARYG // VQ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário