08 Dezembro 2021, 13:15

Vítor Bento diz que não teria entrado no BES se tivesse mantido exigência de contas aprovadas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 mar 2021 (Lusa) – O antigo presidente do BES e do Novo Banco Vítor Bento disse hoje no parlamento que provavelmente não teria entrado no BES caso tivesse mantido a exigência de ter as contas do primeiro semestre de 2014 aprovadas.


“Provavelmente se eu tenho mantido a exigência de só entrar depois das contas aprovadas, não teria chegado a entrar”, disse hoje Vítor Bento na sua audição da comissão de inquérito ao Novo Banco, que decorre no parlamento, referindo-se às contas do BES do primeiro semestre de 2014, prejuízos de 3,6 mil milhões de euros.


O economista disse que depois da resolução “o balanço fica um bocadinho indefinido”, sendo encomendada uma auditoria à consultora PwC.


“Só no final dessa auditoria é que se ficaria a conhecer verdadeiramente a valorização dos ativos que constavam do balanço. Até aí era um bocadinho uma situação, se me permite a expressão, de limbo quanto a essa valorização”, respondeu à deputada Cecília Meireles (CDS-PP).


Vítor Bento lembrou que essa auditoria só foi conhecida em dezembro, já depois da sua saída, e já antes das contas terem sido apresentadas no final de julho, mês que “entre outras coisas trouxe uma desvalorização assinalável na participação na PT”, de 106 milhões de euros, segundo a deputada centrista.


“Depois, o impacto das exposições indiretas, papel comercial, obrigações, etc… ainda não estavam devidamente clarificadas” relativamente ao seu impacto total, segundo Vítor Bento.


Anteriormente na audição, Vítor Bento já tinha dito que o capital inicial dotado para o Novo Banco [4,9 mil milhões de euros] “estava demasiado à pele” em termos do cumprimento dos rácios prudenciais.


“O facto de ter um capital demasiado à pele era negativo, por um lado, para o ‘rating do banco, e sendo negativo para o ‘rating do banco tinha uma influência negativa na avaliação que as contrapartes faziam da própria atividade do banco, e do risco que o banco representava para essas contrapartes”, nomeadamente em linhas de crédito do mercado, “essenciais para a normalização” da instituição, segundo o antigo responsável.


“A primeira sensação que tive quando me foi colocada a resolução, e nos termos em que foi colcoada, é que o banco bom seria um banco normal, que seria gerido, recuperado e dentro dessa recuperação tentar fazer a sua valorização”, tendo percebido no dia seguinte “que o cenário não era esse” no quadro da resolução.


Vítor Bento disse ainda que o interlocutor principal no Banco de Portugal foi o governador Carlos Costa, mas não nas semanas seguintes à resolução (03 de agosto).


“Nas primeiras semanas após a resolução tivemos muito pouco contacto direto com o senhor governador, porque ele entretanto tinha ido de férias, o que era compreensível, tinha tido um período muito desgastante para ele, portanto só voltámos ao contacto com o senhor governador no dia 20 de agosto”, referiu.




JE/JF // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário