15 Maio 2022, 21:21

Vitória de Guimarães vê confirmada anulação de jogo à porta fechada no caso Marega

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Supremo Tribunal Administrativo (STA) confirmou a anulação do jogo à porta fechada imposto ao Vitória de Guimarães devido à ausência de som nas gravações de videovigilância do jogo marcado pelos insultos racistas a Marega diante do FC Porto.

Segundo o acórdão, datado de 07 de abril e a que a Lusa teve hoje acesso, o STA não admitiu o recurso de revista interposto pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), sustentando que “as instâncias decidiram, no essencial, no mesmo sentido e o acórdão recorrido parece estar corretamente fundamentado, através de um discurso plausível, quanto às questões submetidas pela recorrente à sua apreciação”.

Além de ver anulada a punição de um jogo à porta fechada, o clube vimaranense foi também absolvido de pagar uma multa de cinco mil euros.

O Conselho de Disciplina (CD) da FPF tinha condenado em 18 de maio de 2021 a SAD do Vitória de Guimarães na pena de multa no valor de cinco mil euros e na sanção de realização de um jogo à porta fechada, na sequência do encontro realizado com o FC Porto, em fevereiro de 2020, do qual saiu o conhecido «caso Marega».

Em causa estava o facto de o clube minhoto não ter facultado o som das gravações captadas pelo sistema de videovigilância do Estádio D. Afonso Henriques no jogo que os dragões venceram por 2-1 e que ficou marcado por insultos racistas dirigidos ao futebolista maliano.

O Vitória recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto que deu razão aos minhotos, julgando procedente o pedido de revogação do acórdão recorrido.

Posteriormente, a FPF recorreu desta decisão para o Tribunal Central Administrativo (TCA) do Sul que negou provimento ao recurso, sustentando que o Vitória não poderia ser penalizado pela ausência de som nas gravações, porque o sistema de videovigilância instalado no estádio não prevê a gravação de som em todas as câmaras.

“Admite-se que o sistema seria mais eficaz com a simultânea recolha de som e imagem, mas não foi isso que foi previsto, aprovado e instalado, uma vez que só existirá recolha de som por zona e não por câmara, sendo que em cada zona haverá mais do que uma câmara”, refere o acórdão.

O Vitória já cumpriu, entretanto, o castigo de três jogos à porta fechada, por insultos racistas a Marega, aplicado pelo CD da FPF, numa fase em que todos os recintos estavam interditos ao público, devido à pandemia de Covid-19, perante o Famalicão e o Benfica, ainda referentes à temporada passada, e na partida com o Leixões, para a primeira fase da Taça da Liga 2021/22.

Sem comentários

deixar um comentário