12 Agosto 2022, 22:48

Volta ao Algarve: David Gaudu vence na Fóia e é o novo líder

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O ciclista francês David Gaudu (Groupama-FDJ) subiu hoje à liderança da Volta ao Algarve em bicicleta, ao vencer a segunda etapa, que terminou no alto da Fóia, em Monchique.

Gaudu foi o mais forte na chegada à contagem de primeira categoria, coincidente com a meta, terminando os 182,4 quilómetros após a saída de Albufeira em 4:50.51 horas, menos um segundo do que o italiano Samuele Battistella (Astana) e do que o britânico Ethan Hayter (INEOS).

Na geral, Gaudu lidera com um segundo de avanço sobre o norte-americano Brandon McNulty (UAE Emirates) e sobre o belga Remco Evenepoel (Quick-Step Alpha Vinyl).

Na sexta-feira corre-se a terceira etapa, a mais longa da atual edição da Volta ao Algarve, com uma ligação de 211,4 quilómetros entre Almodôvar e Faro.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Tobias Foss e Sergio Higuita foram hoje os protagonistas involuntários na primeira vitória da época do francês David Gaudu, que ultrapassou incólume a queda no ‘sprint’ do alto da Fóia para vestir a amarela da Volta ao Algarve em bicicleta.

Após uma subida calculista dos favoritos, o ciclista francês da Groupama-FDJ passou incólume ao lado da queda que envolveu os campeões norueguês e colombiano – os dois cruzaram a meta a pé, com a bicicleta pela mão – e emergiu vitorioso do ‘sprint’ no ponto mais alto do Algarve, não escondendo a sua felicidade pelo triunfo e pelo ‘bónus’ de vestir de amarelo.

“É muito bom, estou mesmo feliz, é a primeira vitória do ano da equipa. Fiquei pelas primeiras posições e consegui ganhar”, resumiu o talentoso francês, que, aos 25 anos, já tem no currículo um 11.º lugar no Tour2021 e um oitavo na Vuelta2020, edição em que ganhou duas etapas.

A felicidade de Gaudu contrastou com a desolação de Foss (Jumbo-Visma) e Higuita (BORA-hansgrohe), que podem ter ficado irremediavelmente afastados da luta pela vitória final, ao perderem, respetivamente, 36 e 41 segundos, mas também com o ‘fracasso’ da INEOS, que depois de um soberbo trabalho na parte inicial dos 7,1 quilómetros da subida à Fóia, teve de ‘contentar-se’ com o terceiro lugar de Ethan Hayter na tirada, a um segundo do vencedor, e com a consolação de ter quatro homens no ‘top 10’ da geral.

Mas antes do francês erguer os braços no alto da Fóia, com o tempo de 04:50.51 horas, e da geral sofrer uma ‘revolução’ – houve 182,4 quilómetros para percorrer desde Albufeira, imediatamente animados pelo então camisola da montanha, o português João Matias (Tavfer-Mortágua-Ovos Matinados), os ‘nacionais’ César Martingil (Rádio Popular-Paredes-Boavista) e Tomás Contte (Aviludo-Louletano-Loulé Concelho), além de Unai Iribar (Euskaltel-Euskadi) e Nicolas Zukowski (Human Powered Health).

O quinteto saltou do pelotão ao quilómetro seis, conquistou, com a ‘autorização’ da perseguidora Quick-Step Alpha Vinyl, uma vantagem máxima que rondou os quatro minutos, e foi alcançado a menos de 29 quilómetros da meta, já depois de Ion Izaguirre (Cofidis) ter abandonado a corrida, na sequência de uma queda, e de o camisola amarela Fabio Jakobsen, indiferente à luta pela geral, ter descolado.

Na Picota, ataques inofensivos começaram a selecionar o pelotão, com o aniversariante Delio Fernández (Atum General-Tavira-AP Maria Nova Hotel) a ser aquele que mais tempo resistiu à perseguição comandada, primeiro, pela Alpecin-Fenix e, depois, pela INEOS, responsável por um ritmo altíssimo – inicialmente, ‘cortesia’ de Geraint Thomas e, depois, de Jonathan Castroviejo e Dylan van Baarle – que esticou e reduziu o grupo.

A formação britânica assumiu as ‘despesas’ da seleção, antes da entrada em cena da Quick-Step Alpha Vinyl, mas, cautelosos, os candidatos vigiaram-se incansavelmente, cabendo a um corajoso Frederico Figueiredo (Glassdrive-Q8-Anicolor) a iniciativa de agitar a corrida, com o português a entrar isolado nos derradeiros 1.000 metros.

“Quando vi que tinha ganhado espaço e olhei para trás, ainda pensei que poderia dar para ganhar a etapa, mas sei que estes últimos metros são muito longos”, lamentou, em declarações à Lusa, um desiludido ‘Fred’.

Apanhado o português, os ‘tubarões’ juntaram-se para ‘sprintar’ e, numa aceleração pelo lado direito, Tobias Foss e Sergio Higuita tocaram-se, caíram, com a sua queda a prejudicar aqueles que vinham atrás, como Remco Evenepoel (Quick-Step Alpha Vinyl), vencedor na Fóia em 2020 – um feito perpetuado na estátua instalada a poucos metros da meta – e hoje mero sexto classificado, a um segundo do vencedor.

Do lado oposto à queda, seguiam Gaudu e Samuele Battistella (Astana), que foi segundo a um segundo, seguido de Hayter, Brandon McNulty (UAE Emirates) e Daniel Martínez (INEOS).

“No ‘sprint’, vi que outros corredores entraram mal na curva, e procurei ir pelo interior. Lancei o meu ‘sprint’ e foi até à linha”, explicou, depois, o feliz vencedor, que, na sexta-feira, vai partir para os 211,4 quilómetros entre Almodôvar e Faro, a mais longa etapa da 48.ª edição, com um segundo de vantagem sobre McNulty e Evenepoel, segundo e terceiro da geral, respetivamente.

Sem comentários

deixar um comentário