29 Junho 2022, 22:30

Wall Street abre ‘no vermelho’ com o Dow Jones a cair 0,77%

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, 01 mar 2022 (Lusa) — A bolsa de Nova Iorque iniciou hoje a sessão em queda, com o índice Dow Jones a recuar 0,77%, com o mercado dependente dos desenvolvimentos geopolíticos na Ucrânia e das sanções contra a Rússia.


Às 14:55 (hora de Lisboa), o Dow Jones perdia 0,77% para 33.632,84 pontos e o índice Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, recuava 0,36% para 13.702,33 pontos.


O índice alargado S&P 500 registava uma quebra de 0,10% para 4.369,38 pontos.


Os investidores assistem à escalada militar perto da capital ucraniana, Kiev, no sexto dia de hostilidades, e aguardam as consequências das sanções económicas severas imposta pelos Estados Unidos, União Europeia e os seus parceiros a Moscovo.


Setorialmente, os ganhos em energia (2,38%) destacaram-se, na sequência da forte subida do preço do petróleo norte-americano, que hoje ultrapassou os 100 dólares, depois de tal ter acontecido pela primeira vez em quase oito anos na quinta-feira.


À mesma hora e já na reta final da sessão, as principais bolsas europeias continuavam no ‘vermelho’.


O índice EuroStoxx 50 perdia 1,97% e Londres descia 0,60%, Paris 2,36%, Frankfurt 1,95%, Madrid 1,25% e Milão 2,04%.


Na bolsa de Lisboa, o índice PSI20 invertia a tendência de abertura e registava uma ligeira descida, de 0,42% para 5.539,65 pontos, com nove cotadas em alta e 10 em baixa. O BCP liderava as descidas e perdia 3,82% para 0,16 euros e a Jerónimo Martins subia 2,96% para 20 euros.


A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e mais de 660 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.


O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.


O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.



MPE // PAL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário