20 Outubro 2021, 07:59

Wall Street segue em alta após dados do desemprego e decisões da Fed

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, 23 set 2021 (Lusa) – A bolsa de Nova Iorque subia hoje no arranque da sessão, após a divulgação de dados sobre o desemprego nos Estados Unidos e de terem sido conhecidas as decisões da reunião da Reserva Federal (Fed).


Às 14:55 (hora de Lisboa), o índice Dow Jones subia 1,26% para 34.685,94 pontos e o Nasdaq avançava 0,80% para 15.015,58 pontos.


O índice alargado S&P 500 ganhava 0,83% e estava em 4.432,45 pontos.


Pouco antes da abertura da bolsa de Nova Iorque, o Departamento do Trabalho anunciou que as inscrições para subsídio de desemprego nos Estados Unidos subiram na semana passada para 351.000, mais 16.000 em relação ao período anterior.


Foi o segundo aumento consecutivo e este é o número mais elevado em quatro semanas, um sinal de que a variante Delta pode estar a afetar a recuperação do mercado laboral, pelo menos temporariamente.


Na quarta-feira, pouco antes do fecho da bolsa nova-iorquina, o banco central norte-americano indicou que as suas taxas de juro permanecem inalteradas e referiu que pode começar a reduzir em breve o ritmo das suas compras mensais de ativos, se a economia norte-americana continuar a melhorar.


A Fed reviu em alta as suas previsões de inflação para este ano e baixou as previsões de crescimento, alertando que a variante Delta está a abrandar a recuperação.


Segundo as novas previsões, a inflação deverá atingir 4,2% este ano (contra 3,4% previstos em junho) antes de baixar para 2,2% em 2022.


Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o banco central norte-americano antecipa para 2021 um aumento de 5,9% contra os 7% que antecipava em junho.


Na sequência destas decisões e da evolução da situação do grupo imobiliário chinês Evergrande, cuja possível falência pode abalar a economia chinesa, Wall Street encerrou em alta na quarta-feira, com o Dow Jones a subir 1% e o Nasdaq 1,02%.


O Evergrande enfrenta novo prazo hoje para cumprir o pagamento de 83,5 milhões de dólares (71 milhões de euros), em juros, sobre obrigações emitidas em dólares norte-americanos.


Incapaz de obter empréstimos nos mercados financeiros e com falta de liquidez, o grupo tentou reembolsar alguns dos credores com lugares de estacionamento e imóveis inacabados.


O Governo chinês não indicou ainda se pretende ou não intervir a favor do conglomerado privado.



EO (JPI) // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário