06 Outubro 2022, 11:15

Zelensky diz que crimes em Busha serão reconhecidos como genocídio

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou hoje em Busha que os “crimes de guerra” nesta cidade, alegadamente cometidos por forças militares russas, serão “reconhecidos como um genocídio”.

Falando à imprensa numa das ruas onde foram encontrados dezenas de cadáveres de civis, nalguns casos com as mãos atadas nas costas e atirados em valas comuns, Volodymyr Zelensky garantiu que o que aconteceu “são crimes de guerra” e acusou o exército russo de ter cometido “um massacre” contra a população civil.

“Todos os dias, quando os nossos combatentes entram e reconquistam territórios — como aconteceu com Busha — vemos o que está a acontecer”, adiantou o Presidente ucraniano, pedindo aos órgãos de comunicação social para “documentarem as atrocidades” cometidas naquela cidade.

“É muito importante que a imprensa, os jornalistas internacionais estejam aqui. Temos de ser capazes de mostrar ao mundo o que aconteceu, o que as forças russas fizeram”, disse Zelensky, que se deslocou hoje a Busha, acompanhado de soldados ucranianos fortemente armados.

O líder ucraniano enfatizou a importância de “levar este caso à justiça internacional”, apesar de Moscovo rejeitar todas as acusações e alegar que as imagens mostradas foram encenadas e fazem parte da propaganda de Kiev.

“Vamos fazer com que os responsáveis sejam punidos. Todos os dias encontramos casos como este e isso é genocídio”, acrescentou.

Os serviços militares ucranianos divulgaram hoje, na sua página oficial da internet, os dados pessoais de 1.600 soldados russos que atuaram em Busha, mostrando os seus nomes, apelidos, datas de nascimento e patentes militares.

A lista corresponde aos integrantes da 64ª brigada motorizada independente, do exército russo, que está alegadamente implicada no massacre de civis na cidade.

A presidência russa (Kremlin) rejeitou categoricamente a participação dos seus militares nos massacres.

Busha esteve ocupada por tropas russas durante semanas e, após sua libertação, centenas de corpos foram descobertos espalhados nas ruas, alguns deles com as mãos amarradas nas costas, como divulgou a imprensa internacional no local.

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) alegou ter indícios de que o exército russo tinha cometido crimes de guerra nas áreas sob o seu controlo, incluindo execuções sumárias de civis.

A comunidade internacional condenou o massacre e pediu uma investigação aos alegados crimes de guerra.

A União Europeia anunciou que está a preparar “com urgência” novas sanções contra a Rússia após “as atrocidades”, que condena nos “termos mais fortes”, cometidas pelas forças armadas russas em várias cidades ucranianas ocupadas e, entretanto, libertadas.

Também a alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos defendeu que sejam preservadas todas as provas dos aparentes massacres de civis na cidade ucraniana de Busha e nos arredores de Kiev, a fim de se estabelecerem responsabilidades e ser feita justiça.

Sem comentários

deixar um comentário