10 Agosto 2022, 19:30

Zelensky pede participação do mundo democrático na reconstrução da Ucrânia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou hoje aos países democráticos para aderirem ao plano de reconstrução da Ucrânia, na abertura de uma conferência internacional em Lugano, Suíça, sobre o apoio ao país devastado pela guerra.

“A reconstrução da Ucrânia é a tarefa comum de todo o mundo democrático”, afirmou Zelensky ao dirigir-se por videoconferência aos participantes na conferência de Lugano, citado pela agência francesa AFP.

Zelensky considerou que a participação no plano de reconstrução constituirá a “contribuição mais importante para a paz mundial” e ficará assinalada no território ucraniano.

“Entre outras coisas, irá criar milhões de novas ligações no mundo democrático, na Europa, entre os nossos países. Cada cidade, cada comunidade, cada indústria que vai ser reconstruída terá provas históricas de quem ajudou nisto”, disse Zelensky, segundo a agência ucraniana Ukrinform.

O líder ucraniano agradeceu à Dinamarca, que se ofereceu para reconstruir Mykolaiv (sudeste), e ao Reino Unido pelo interesse manifestado na reconstrução da região de Kiev, a capital da Ucrânia.

“Convido também todos os países do mundo civilizado e empresas ambiciosas a juntarem-se aos nossos esforços”, apelou.

Zelensky também agradeceu à Comissão Europeia a criação de uma plataforma especial para a reconstrução da Ucrânia, e defendeu que as necessidades e os sentimentos dos ucranianos devem estar em primeiro lugar.

O projeto, referiu, deve ter como princípios-chave a segurança, a eficiência tecnológica, o cumprimento de normas ambientais, a utilização de tecnologias verdes, o enfoque nos interesses das comunidades e a transparência no planeamento e utilização dos fundos.

Zelensky defendeu o “máximo enraizamento” do projeto de reconstrução na vida económica real da Ucrânia para que os resultados sejam duradouros.

Acrescentou que o plano visa igualmente o “desenvolvimento institucional” do país.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, considerou que a reconstrução da Ucrânia deve resultar num país melhor do que aquele que existia antes da guerra lançada pela Rússia em 24 de fevereiro.

“Sabemos que a sua luta [dos ucranianos] é também a nossa luta e é por isso que estamos a ajudar a Ucrânia a vencer esta guerra. Temos também de garantir que a Ucrânia ganhará a paz”, disse Von der Leyen, citada pela AFP.

Participam na conferência de dois dias representantes de cerca de quatro dezenas de países, de instituições internacionais e do setor privado.

O primeiro-ministro ucraniano, Denys Schmygal, lidera a delegação da Ucrânia, que inclui o presidente do parlamento, Ruslan Stefanchuk.

Portugal está representado pelo ministro da Educação, João Costa.

Em maio, quando visitou Kiev, o primeiro-ministro português, António Costa, manifestou a Zelensky a disponibilidade de Portugal para participar num programa de reconstrução de escolas e jardins-de-infância.

Em alternativa, Portugal poderá patrocinar a reconstrução de uma zona territorial a indicar pelas autoridades ucranianas, disse Costa na altura.

A conferência deverá ser marcada por uma declaração comum que deve estabelecer as “prioridades, método e princípios” deste projeto de recuperação.

Sem comentários

deixar um comentário